Dilma vai fustigar Serra em convenção

Petista ironiza falta de vice na chapa do tucano; partido organiza megaespetáculo com exaltação à mulher para oficializar candidatura

Vera Rosa / BRASÍLIA e Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

13 de junho de 2010 | 09h17

 

Entre aliados. Dilma comemora a aliança com o PMDB, ao lado de Sarney e Temer

 

Preparada para ser um megaespetáculo, a convenção do PT que vai sacramentar hoje a candidatura de Dilma Rousseff à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva mostrará uma petista com discurso mais afiado. Ela vai fustigar o adversário do PSDB, José Serra, prometer erradicar a pobreza até 2014 e adotar uma "governança moderna".

 

Veja também:

Acompanhe a cobertura em tempo real do lançamento de Dilma

'Dilma, prepare-se. A candidata vai ser você!'

Especial: a pré-campanha de Dilma Rousseff

 

Pouco antes de discursar, na tarde de ontem, na convenção do PMDB que sacramentou Michel Temer (SP) como vice de sua chapa, a ex-ministra da Casa Civil recorreu à ironia para comentar a dificuldade de Serra em fazer uma dobradinha. "Antigamente, os candidatos à Presidência do Brasil tinham vice", disse ela ao Estado, ao desembarcar no aeroporto de Brasília.

 

Serra oficializou a candidatura sem o vice. O PT avalia que a indefinição mostra problemas do PSDB para ampliar votos. O discurso do tucano, no diagnóstico do comando petista, refletiu "uma guinada à direita" em que ele se assumiu como adversário de Lula.

 

Com maquiagem, cabelo e roupa impecáveis, a Dilma que se apresentará hoje como herdeira de Lula será diferente da pré-candidata aclamada pelo PT em seu 4.º Congresso, realizado em fevereiro.

 

Voto feminino. Em um salão decorado com vários banners no teto, sob o slogan "Dilma, para o Brasil seguir mudando", a candidata petista pregará uma era de prosperidade.

 

De olho no voto feminino, fatia do eleitorado em que a ex-ministra precisa ampliar os índices de intenção de voto, o PT organizou um ato político colorido para ser uma "celebração à mulher". No material de campanha estão estampados os dizeres "Pátria Mulher, Pátria Mãe".

 

O tom do pronunciamento da candidata terá ênfase no social, com destaque para a educação, mas também entrará com força na seara econômica, assumindo compromissos com a estabilidade e o controle da inflação.

 

Dilma dirá que a continuidade do projeto de Lula significa pôr o Brasil entre as cinco maiores economias do mundo. Vestindo o figurino de herdeira de um presidente popular, ela aproveitará a oportunidade para bater o bumbo sobre o crescimento de 9% do Produto Interno Bruto (PIB), o maior desde 1996, puxado pela indústria e por investimentos.

 

Disposta a conclamar os militantes para a primeira campanha presidencial disputada pelo PT sem Lula na chapa, nos 30 anos do partido, Dilma ainda dava ontem à noite os últimos retoques no discurso, depois de assistir, em vídeo, ao pronunciamento de Serra na convenção do PSDB. Em crítica velada à petista, o tucano disse que não caiu "de paraquedas" na política.

 

Embora sem citar o nome de Serra, Dilma pretendia acentuar as estocadas na direção do rival. A linha do discurso é a de que ela não teme o confronto porque o governo do PT tem o que mostrar. Dilma deve reforçar, ainda, a defesa à liberdade de imprensa, mas pode fazer críticas à atuação da mídia.

 

Lula estará ao lado da candidata na superprodução montada pelo marqueteiro João Santana, com direito a novo jingle de campanha, que será exibido a uma plateia de 1,8 mil convidados. O PT escalou as cantoras Alcione, Zezé Motta e a banda Samba de Rainha, formada por mulheres, para dar um show na convenção.

 

A exemplo do que fez no 4.º Congresso do PT, Lula exaltará as qualidades da ex-ministra, no papel de fiador da candidatura.

 

Vaias. Dirigentes do PT temem vaias a Michel Temer na convenção. O PT discutia, até ontem, se Temer fará algum discurso ou uma rápida saudação aos militantes. A orientação da cúpula do partido para reagir a eventuais manifestações hostis é aumentar o som no ambiente. Uma claque também já está a postos para aplaudir os convidados.

 

Temer não era o vice dos sonhos do Palácio do Planalto, mas acabou aceito porque é o nome que une as alas do PMDB. Foi uma indicação do maior partido da base aliada do governo Lula, que comanda seis ministérios na Esplanada e uma penca de cargos em estatais.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffPTPMDB

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.