Dilma usa episódio para enquadrar PC do B

Denúncias de fraudes envolvendo Ministério dos Esportes foram consideradas graves pelo governo

Vera Rosa, de O Estado de S. Paulo

22 de fevereiro de 2011 | 23h00

A presidente Dilma Rousseff aproveitou as denúncias de fraude envolvendo programas do Ministério do Esporte para enquadrar o PC do B, que comanda a pasta, e conter o apetite do partido por cargos. No Palácio do Planalto há crescente insatisfação com os comunistas, que passaram a dar estocadas no governo após terem perdido o comando da Autoridade Pública Olímpica (APO) para o ex-presidente do Banco Central, Henrique Meirelles (PMDB).

 

Dilma mandou o ministro do Esporte, Orlando Silva, dar entrevistas para explicar as acusações, publicadas pelo Estado desde domingo, que revelam esquema de desvio de verba e cobrança de "comissão" por políticos do PC do B. As denúncias atingem vitrines do Ministério do Esporte, como o programa Segundo Tempo, e foram consideradas graves pelo Planalto.

 

Em conversas reservadas, os mais próximos de Dilma dizem que o PC do B vive "momento de grande fragilidade" e não pode fazer exigências, sob pena de perder o que tem no governo. A presidente não escondeu a irritação com o deputado Daniel Almeida (PC do B-BA), relator da Medida Provisória que cria a APO. Depois de ter acertado mudanças na MP com o governador do Rio, Sérgio Cabral (PMDB), Dilma ouviu Almeida dizer que era "tarde demais" para alterações no texto.

 

Furioso com a indicação de Meirelles para a APO, o PC do B quer emplacar o ex-deputado Flavio Dino (MA) na Secretaria de Reforma do Judiciário, abrigada no Ministério da Justiça. Mas tanto o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), como a governadora do Maranhão, Roseana Sarney (PMDB), vetam a indicação. Por enquanto, Dilma lavará as mãos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.