Dilma tuíta sobre 'desespero da Veja'

O perfil da presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff (PT) nas redes sociais postou diversas mensagens contra a reportagem publicada pela revista Veja. "Veja fracassará no intento criminoso, ela não ficará impune. A justiça livre desse país vai condená-la por esse crime", disse seu perfil no Twitter. "A Veja comete esta barbaridade contra mim e contra o presidente Lula sem apresentar a mínima prova. Isso é um absurdo, isso é um crime", diz outro tuíte. Algumas das mensagens reproduziram parte do horário eleitoral. Ao todo, no Twitter da candidata do PT, foram até o momento 16 mensagens sobre o tema, alguns com o hashtag #Desesesperodaveja, em referência ao Tumblr (plataforma de blogs, com imagens e vídeos) de mesmo nome.

ANA FERNANDES, Estadão Conteúdo

24 de outubro de 2014 | 18h39

No Facebook, o perfil de Dilma destacou ação de internautas que fizeram memes e ridicularizaram capas da Veja. O post tem um link para uma página no site oficial na campanha, com uma matéria que fala sobre o "humor dos internautas" para lidar com a "mentira e truculência" da revista.

Aécio Neves (PSDB), por sua vez, postou a matéria da Veja em seu perfil no Facebook e disse que a edição que chegou hoje às bancas "traz importantes revelações sobre as investigações relacionadas aos casos de corrupção na Petrobras". É o único post do tucano sobre o tema. Na sequência ele também publicou um link para um editorial da revista IstoÉ, falando do "massacre de reputações promovido pelo PT".

Entre os temas mais comentados pelo Twitter no Brasil, os chamados "trending topics", figurava nesta tarde o hashtag #Desesperodaveja, bem como o #VotoAecioPeloBR45IL.

Reportagem de capa da Veja distribuída hoje relata que o doleiro Alberto Youssef afirmou, em depoimento à Polícia Federal, que a presidente Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva tinham conhecimento do esquema de cobrança de propina na Petrobras.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.