Dilma terá que convencer que não é 'Lula de batom', diz 'Economist'

Para revista, eleita abrirá um precedente ruim se permitir que seu antecessor mantenha poder nos bastidores.

BBC Brasil, BBC

05 de novembro de 2010 | 05h54

Nomeações da eleita passarão por escrutínio, diz revista

Na edição desta semana, a revista britânica Economist publica uma matéria sobre os desafios que a presidente eleita Dilma Rousseff enfrentará para provar que tem ideias próprias e que sairá da sombra de Lula.

"Ela terá de convencer os céticos de que ela não é apenas o Lula de batom", afirma a Economist.

Segundo a revista, até o momento ela vem lidando bem com a situação. Mas criará um precedente ruim para o Brasil se permitir que Lula permaneça no poder, nos bastidores.

Entre os obstáculos citados está a desconfiança de investidores, assim como aconteceu logo após a eleição de Lula, em 2002.

Do mesmo jeito que se preocupavam com ter no poder um ex-líder socialista, eles podem ver com temor o passado de Dilma, que lutou contra a ditadura nos anos 1960.

Segundo a revista, para confortar os eleitores mais ricos que votaram em José Serra, "no dia seguinte às eleições Dilma descreveu seus planos econômicos como 'nada que crie ondas ou confusões'".

Meirelles e Palocci

Mas suas nomeações passarão por forte escrutínio. A revista diz que investidores defendem a permanência de Henrique Meirelles no Banco Central e que estão de olho em Antonio Palocci.

Se Dilma escolher Palocci para a Casa Civil ou colocá-lo de volta no Ministério da Fazenda, ganhará a confiança do setor empresarial, diz a Economist. "Se ele (Palocci) acabar (nos ministérios) de Saúde e Educação, os empresários permanecerão céticos."

Desde as eleições, Dilma vem defendendo responsabilidade fiscal, ao mesmo tempo em que apoia gastos sociais com os mais pobres.

Para manter as duas promessas, a revista afirma que será preciso "cortar gordura das partes do orçamento em que Lula não tocou, como as pensões no serviço público. Mas atacar tais vantagens generosas provocaria a ira de sua base e dos sindicatos, que ainda são uma força considerável dentro do PT".BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.