Dilma tenta reverter tendência pró-Serra na BA

Um discurso rápido, com 20 minutos de duração, intercalado com afagos ao eleitorado e ataques leves ao adversário José Serra, marcou a passagem de Dilma Rousseff em Vitória da Conquista, a 509 km de Salvador.

JUSCELINO SOUZA, Agência Estado

27 de outubro de 2010 | 02h37

Apresentando-se como a "legítima representante do projeto do presidente Lula", a petista levou a multidão - estimada em 5 mil pessoas, segundo a PM, a alfinetar o adversário, dizendo que ele "só sabia criticar, dizendo que o bolsa família era bolsa miséria".

Dilma subiu ao palanque, armado na Praça Barão do Rio Branco uma hora e 48 minutos depois do anunciado na programação oficial. Saudando o público, fez jogo de palavras com o nome da cidade, dizendo que estava ali para falar de "vitórias" e "conquistas" e que, em 31 de outubro, o eleitor iria responder "ao ódio, à falsidade e às mentiras com amor".

Referindo-se às mulheres, prometeu, se eleita, não errar como governante. "A mulher sabe governar bem, pois já governa sua casa, cria seus filhos, lava roupa, faz comida e cuida da roça". Das poucas promessas que fez na cidade, destacou a erradicação da pobreza e aumento no número de empregos formais.

A cidade recebeu uma "enxurrada" de panfletos, cartazes e as cenas mais comuns eram de pessoas desfilando com bandeiras nos carros e nas mãos. Tudo para mudar o cenário do primeiro turno, quando Serra obteve 59.420 votos, contra 56.780 de Dilma.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.