Dilma tenta agradar plateias distintas na mesma noite

Pré-candidata do PT à Presidência conversa com empresários e cabos eleitorais

Lucas Azevedo,

12 Maio 2010 | 00h34

Após passar parte do dia em Rio Grande, no sul do Rio Grande do Sul, onde participou de um evento que discutiu o desenvolvimento da região, a pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, rumou para Porto Alegre para cumprir uma agenda noturna. Em dois eventos distintos, a petista falou para o alto empresariado gaúcho e a fiéis correligionários.

 

No primeiro compromisso, que contou com a presença da governadora Yeda Crusius (PSDB), Dilma foi recebida por empresários durante a posse da direção da Federação das Associações Comerciais e de Serviços do Rio Grande do Sul (Federasul), no clube Leopoldina Juvenil, o mais tradicional de Porto Alegre.

 

Aos empresários, a ex-ministra exaltou as conquistas econômicas do governo Lula, salientando a distribuição de renda e a inclusão social.

 

"Aumentou o número de brasileiros na classe média, o que significa um grande mercado consumidor no País. Criamos uma dinâmica virtuosa, que é a produção, que cria consumo, que gera investimento, que gera renda. Esse processo traz para o Brasil um cenário global geral de perspectivas de crescimento."

 

Segundo ela, o país vive um momento "excepcional". "Pela primeira vez o País começou a criar mais empregos formais, ao contrário do que houve até 2005. E poderemos criar, até o final do ano, 14 milhões de empregos formais."

 

Dilma ressaltou o novo papel de credor do Brasil frente ao Fundo Monetário Internacional (FMI), o que, segundo ela, fez com que o País ganhasse uma "margem de manobra que nunca teve antes". A pré-candidata petista ainda destacou a manutenção da democracia, o cumprimento de contratos no País e o momento propício para os empresários.

 

"Nós amadurecemos muito. Somos um País sem conflitos étnicos, uma grande democracia e um ambiente muito sólido aos negócios, o Brasil jamais desrespeitou contratos, ao menos nos últimos anos."

 

Em seguida, Dilma participou do lançamento de um comitê suprapartidário, que contou com a presença de aliados, líderes, do ex-ministro Tarso Genro e do presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra.

 

Para as centenas de pessoas presentes no encontro, que ocorreu no clube Farrapos, recanto bem mais popular que o do primeiro encontro, Dilma fez um discurso que rememorou os tempos de militância e o início da vida pública, em Porto Alegre.

 

 "Nessa noite encontro comigo mesma, com minha história política."

 

Além de citar o poder feminino em três momentos de sua fala, como em "nós estamos preparadas para dirigir o Brasil", a ex-ministra abordou a luta contra o preconceito como uma de suas bandeiras.

 

"Abre-se diante de nós uma nova era de prosperidade. Nessa década, que se inicia em 2011, vamos erradicar a miséria de nosso País e a política de desigualdade, o que torna muitas vezes a opção sexual algo de objeto de discriminação. Temos autoridade moral para dizer que essa é nossa meta."

 

Após o discurso, a petista ficou cerca de 20 minutos cercada por fãs, que se espremiam para uma fotografia com a candidata.

 

Escoltada por assessores que afastavam os jornalistas, a ministra foi embora sem dar entrevista.

Mais conteúdo sobre:
Dilma Federasul

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.