Dilma: suposto elo de gráfica com Serra é 'lamentável'

A candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff, disse hoje considerar "lamentável" a informação de que a impressão de cerca de 1 milhão de panfletos que pregam voto contra o PT, relacionando o partido à defesa do aborto, ocorreu em uma gráfica que pertence à irmã de um dos coordenadores da campanha de José Serra (PSDB). Segundo o jornal Folha de S.Paulo, a gráfica que imprimia os folhetos, apreendidos ontem pela Polícia Federal (PF), tem como sócia a irmã de Sérgio Kobayashi, coordenador de infraestrutura da campanha tucana.

FELIPE WERNECK, Agência Estado

18 de outubro de 2010 | 20h02

Filiada ao PSDB desde março de 1991, Arlety Satiko Kobayashi é dona de 50% da Editora Gráfica Pana Ltda, localizada no Cambuci, na capital paulista. "Ela vai ser investigada. Se isso se caracterizar, as ligações com o PSDB, acho lamentável que isso tenha acontecido", disse Dilma.

"Houve nessa campanha um processo, que a gente deve repudiar, de materiais que não têm autor, com conteúdo que instaura o ódio. Acho um clima que é contrário à nossa cultura, de tolerância e respeito", acrescentou a candidata petista, em rápida entrevista no Rio de Janeiro.

Antes de seguir para a TV Globo, onde seria entrevistada durante o Jornal Nacional, Dilma afirmou que o pobre agora tem telefone no Brasil porque passou a ter renda, e não porque privatizaram o setor, numa referência ao governo de Fernando Henrique Cardoso. "Essa lógica é um tanto quanto questionável. Não é porque é público ou privado que aumenta a capacidade de renda e de compra da população."

Em seguida, ela emendou dizendo que é contra a privatização do pré-sal, atribuindo aos tucanos essa proposta. "Seja o que diga o meu adversário, o fato é que o PSDB votou contra o modelo de partilha e o assessor David Zylbersztajn deu entrevista a respeito do que considera que deve ser a forma de privatização do pré-sal."

Marina Silva

Sobre o anúncio feito pela candidata derrotada do PV à Presidência, Marina Silva, de optar pela neutralidade no segundo turno, Dilma disse respeitar a decisão, e ressaltou ter recebido "vários apoios de militantes e dirigentes do PV". "Respeito a posição da Marina. Ela tem todo o direito de tomar a posição que quiser. E também respeito a posição do PV. Não se trata aqui de discutir posição de partido nenhum. Alguns partidos me apoiam, outros apoiam outro candidato."

Antes da entrevista, a candidata pediu um "momento propositivo" e saiu em defesa da PF e da compra de veículos aéreos não tripulados, criticada por Serra no debate de ontem. "O meu adversário desqualificou a PF e o emprego do veículo aéreo não tripulado de forma um pouco leviana", disse.

"A PF é a primeira polícia do mundo a usar esse veículo em estratégia de segurança pública, e não militar. No meu governo, de 2011 a 2014, teremos mais 14 para controle do tráfico de drogas em zonas metropolitanas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.