Dilma, Serra e Marina informam arrecadação de R$ 15,7 milhões ao TSE

Dilma lidera, com R$ 9,7 milhões; soma do dinheiro levantado pelos comitês chega a R$ 19,8 milhões

Carol Pires / BRASÍLIA, Estadão.com.br

06 de agosto de 2010 | 21h40

Os três candidatos à presidência da República líderes nas pesquisas de intenção de voto - Dilma Rousseff, do PT, José Serra, do PSDB, e Marina Silva, do PV - arrecadaram R$ 15,7 milhões em doações de campanha até a última terça-feira, dia em que entregaram à Justiça Eleitoral a prestação parcial de contas.

 

Os comitês financeiros do PT, PSDB e PV declararam arrecadação ainda maior: R$ 19,8 milhões. Porém, como esta primeira declaração de bens ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) é parcial e não informa o nome dos doadores, não é possível afirmar quanto da arrecação de cada candidato foi repassado pelo comitê financeiro do seu partido.

 

PT

 

Dilma Rousseff foi a líder de arrecadação, com R$ 9.735.985,50 recebidos. Na declaração da candidata é informado que, deste total, R$ 9.560.154,38 já foram gastos. A dez dias do início da propaganda partidária, Dilma gastou R$ 4,5 milhões com a produção de programas de TV e Rádio.

 

Outros R$ 789 milhões foram usados em eventos de promoção da candidata e R$ 2 milhões para criação da página dela na internet. Dilma também usou pouco mais de meio milhão em transporte e desembolsou cerca de R$ 1 milhão em pagamento de serviços prestados por terceiros. A estimativa de gastos da campanha de Dilma é de R$ 157 milhões.

 

A arrecadação do comitê financeiro do PT também foi a maior, com R$ 11,6 milhões declarados. Os gastos do comitê somam R$ 10,1 milhões. Os maiores gastos também foram com produção de TV e Rádio: R$ 4,3 milhões. Outros R$ 2,8 milhões foram doados a outros candidatos ou comitês e R$ 1,5 milhões com criação e inclusão de páginas na internet.

 

Nesta altura da prestação de contas, quando o nome dos doadores não é revelado, não é possível cruzar os dados para saber quanto desses R$ 11,6 milhões arrecadados pelo comitê do PT foram repassados para somar os R$ 9,7 milhões arrecadados por Dilma.

 

PV e PSDB

 

Na prestação parcial de contas, Marina Silva, candidata do PV, informa ter arrecadado R$ 3.470.250,65 - mais do que o tucano José Serra, que recebeu R$ 2.593.501,81 em doações. Ambos declararam ter gasto o valor integral com a campanha.

 

Os maiores gastos de Marina Silva foi com publicidade em material impresso (R$1 milhão), pagamento de serviços prestados a terceiros (R$ 1,2 milhão), e produção de programas para TV e rádio (R$ 1,3 milhão). O comitê financeiro da campanha de Marina anunciou arrecadação de R$ 4,6 mil e gastos de R$ 3,5 milhões. Também não é possível saber quanto deste dinheiro foi arrecadado pelo comitê e repassado para Marina, por isto não é possível somar os dois números para calcular a arrecadação total. Marina pretende gastar no máximo R$ 90 milhões na campanha.

 

Serra gastou a maioria da doação em transporte (R$ 654 mil), serviços a terceiros (R$ 1,2 milhão) e publicidade em material impresso (R$ 472 mil). O comitê financeiro do PSDB informou ter arrecadado R$ 3,6 milhões e gasto e gasto R$ 2,6 milhões. O limite de gastos do tucano é de R$ 180 milhões.

 

Nanicos

 

O candidato do PSOL, Plínio de Arruda Sampaio, registrou uma movimentação financeira bem mais modesta que seus adversários. Foram R$ 35 mil arrecadados e R$ R$ 24 mil gastos, sendo R$ 22 mil para locação de veículos e o restante para pagamento a terceiros. O comitê financeio da campanha de Marina anunciou arrecadação de R$ 39 mil e gasto de apenas R$ 1 mil.

 

Os presidenciáveis Ivan Pinheiro (PCB), José Maria Eymael (PSDC), José Maria de Almeida (PSTU) e Rui Costa Pimenta (PCO) não tiveram arrecadação de campanha e Levy Fidelix usou apenas R$ 1 mil, do próprio bolso.

 

A próxima prestação parcial de contas precisa ser entregue pelos candidatos à Justiça Eleitoral em setembro. Apenas 30 dias depois das eleições as campanhas são obrigadas a apresentar a prestação completa, com informação, inclusive, sobre os doadores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.