Daniel Teixeira/Estadão
Daniel Teixeira/Estadão

Dilma se reúne com ministros para discutir protestos

Na avaliação inicial do Planalto, manifestações deste domingo são representativas e presidente deve lançar pacote com medidas anticorrupção

VERA ROSA e Lisandra Paraguassu, O Estado de S. Paulo

15 de março de 2015 | 13h25

Atualizada às 17h05

Brasília - A presidente Dilma Rousseff está reunida com ministros para avaliar os protestos em andamento neste domingo, 15, pelo País. As primeiras leituras do Palácio do Planalto são de que as manifestações foram representativas, mas mais pacíficas que as realizados em junho de 2013. O governo comemorou a ausência de black blocs nos protestos até este momento. "Foi uma evolução em relação ao que houve em 2013", disse ao Estado um auxiliar da presidente.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, foi o primeiro a chegar ainda no fim da manhã. No fim da tarde, foi a vez de o ministro da Casa Civil,  Aloizio Mercadante, chegar ao Palácio da Alvorada para uma reunião com Dilma. São esperados ainda os ministros Jaques Wagner (Defesa), Pepe Vargas (Relações Institucionais) e Miguel Rossetto (Secretaria-Geral da Presidência). A informação até agora é que o governo vai se manifestar até o final do dia, mas não está definido ainda se será por meio de nota ou uma entrevista.

Durante as reuniões, o governo deve discutir o lançamento de um pacote de medidas anticorrupção, que será enviado ao Congresso Nacional nos próximos dias. Entre as medidas previstas estão a criminalização do caixa dois, a que permite o confisco de bens adquiridos de forma ilícita por agentes públicos, agilizar o julgamento de ações de desvios de recursos públicos e acelerar investigações e processos movidos contra autoridades com foro privilegiado.

Em 1.º de janeiro, durante seu discurso de posse, Dilma abordou o combate a corrupção. "A luta que vimos empreendendo contra a corrupção e principalmente contra a impunidade ganhará ainda mais força com o pacote de medidas com o qual me comprometi durante a campanha e me comprometo a submeter à apreciação do Congresso Nacional ainda neste primeiro semestre", disse a presidente, na época.

Os protestos marcados para este domingo contra o governo reúnem manifestantes em diversos Estados e no Distrito Federal. Nas ruas há gritos de combate à corrupção, de "Fora PT", pedidos de reforma política e de impeachment de Dilma. Nas redes sociais, cerca de 500 mil pessoas prometem comparecer a atos previstos em 21 Estados, organizados em sua maioria pelo Movimento Brasil Livre (MBL) e Vem Pra Rua. Não há registros de incidentes até o momento.  A situação em frente ao Alvorada está bastante tranquila, sem turistas ou manifestantes. O governo bloqueou as duas vias de acesso ao palácio, permitindo apenas a passagem de jornalistas e pessoas a pé, mas não grupos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.