Dilma se faz de vítima, diz presidente do DEM

Segundo o senador Agripino Maia, presidente se faz de vítima ao invés de demonstrar que é inocente em relação às acusações da Lava Jato

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2015 | 11h54

BRASÍLIA - Senadores do DEM criticaram nesta terça-feira, 7, a postura da presidente Dilma Rousseff diante da pressão da oposição, que tem defendido a saída da petista do cargo.

Segundo o presidente do partido, senador Agripino Maia (RN), Dilma se faz de vítima ao invés de demonstrar que é inocente em relação às acusações que pesam sobre ela. "A presidente parece achar que a vitimologia será mais forte do que os argumentos jurídicos contidos nas ações que ela terá que enfrentar no TCU, na PGR e no TSE", disse.

Conforme mostrou o Estado, Dilma afirmou a aliados que vai defender "com unhas e dentes" o seu mandato e classificou como "golpista" a ofensiva da oposição para que ela saísse do poder. Em entrevista publicada nesta terça pelo jornal Folha de S.Paulo, Dilma lembrou a época que foi torturada na ditadura e afirmou que não iria "cair".

"Dizer que é golpe ao invés de responder as acusações é desmerecer as instituições que existem para defender a sociedade", afirmou Agripino.

O líder do DEM no Senado, Ronaldo Caiado (GO), afirmou que a presidente "segue o script de muitos que estiveram nos seus últimos dias de mandato". "Em vez de ter a estatura de estadista neste momento de crise, ela se coloca em uma posição de desafio, como se fosse culpa da oposição o momento que passa o País", disse.

Caiado argumenta que, como Dilma foi presidente do Conselho de Administração da Petrobrás, "não dá para dizer que ela não tem responsabilidade sobre o escândalo da estatal". Segundo ele, também está ficando claro que o dinheiro desviado serviu para financiar a campanha da petista e que o governo usou das chamadas pedaladas fiscais para fechar suas contas. "São crimes bem fundamentados na lei. Não dá para acusar a oposição de golpista. Quer dizer que a presidente é imune a tudo? Isso é uma postura imperial, nada republicana", questionou.

A oposição mira em pelo menos três caminhos para Dilma do Palácio do Planalto. A principal aposta é cassar a chapa dela e do seu vice-presidente Michel Temer no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) no processo que investiga a suspeita de financiamento ilegal da dupla em razão da Operação Lava Jato. O segundo cenário é via Tribunal de Contas da União (TCU), que pode reprovar as contas do governo de 2014 de Dilma, o que pode culminar num processo de impeachment. O grupo de opositores também apresentou uma representação na Procuradoria-Geral da República (PGR) em que pede que a presidente explique as declarações do dono da UTC, Ricardo Pessoa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.