Dilma se diz preparada para ir ao Senado

Ministra embarca de volta do Japão amanhã; senador marcou seu depoimento sobre dossiê para 7 de maio

Cláudia Trevisan, TÓQUIO, O Estadao de S.Paulo

25 de abril de 2008 | 00h00

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, disse ontem estar "preparada" para ir à Comissão de Infra-estrutura do Senado no dia 30 ou em outro dia que for "da conveniência dos senadores". A ministra foi convocada para falar sobre o dossiê relativo a gastos secretos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que teria sido montado dentro da Casa Civil.A ministra está no Japão e embarcará de volta ao Brasil amanhã. "Terça-feira de manhã já estarei trabalhando", afirmou ontem, depois de representar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva na cerimônia de comemoração dos 100 anos de imigração japonesa para o Brasil. "Estou preparada para ir no dia 30, se for conveniente para os senadores. Se não for, vou no dia em que foi negociado. Não tem nenhum problema."Ontem o presidente da Comissão de Infra-Estrutura, senador Marconi Perillo (PSDB-GO), marcou o depoimento para 7 de maio, uma quarta-feira. Perillo enviou uma comunicação ao gabinete da ministra, informando sobre a nova data. O líder do governo no Senado, Romero Jucá (PMDB-RR), tinha anunciado que o depoimento ocorreria no dia 30 de abril, mas depois disse ter acertado a nova data com o presidente da comissão. "Como dia 30, data marcada anteriormente, é véspera de feriado (1º de maio, Dia do Trabalhador), Marconi pediu para transferir para a semana seguinte", explicou Jucá.A convocação de Dilma na Comissão de Infra-Estrutura atende a três requerimentos. O primeiro é para que dê explicações sobre o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). O segundo tem como objeto explicações sobre a hidrelétrica de Belo Monte. Já o terceiro prevê sua participação para falar a respeito do dossiê sobre os gastos com cartões corporativos durante o governo Fernando Henrique. Jucá, no entanto, ainda tenta, por meio de recurso, derrubar o terceiro requerimento. HOMENAGEMOntem a ministra representou o presidente Luiz Inácio Lula da Silva em cerimônia de homenagem aos 100 anos da imigração japonesa em Tóquio. O sofrimento físico e psicológico enfrentado pelos milhares de japoneses que embarcaram para o Brasil no início do século passado foi lembrado pelo imperador Akihito, que agradeceu ao governo e aos brasileiros pela "generosidade" com que acolheram os imigrantes.Dezenas de descendentes dos que cruzaram o mundo fugindo da pobreza participaram da solenidade. Muitos deles fizeram o caminho inverso e enfrentam hoje no Japão problemas que vão da dificuldade de integração à sociedade local a crises de identidade."Como os imigrantes japoneses foram recebidos bem no Brasil é importante que os nikkeis sejam bem recebidos na sociedade japonesa", afirmou Akihito, em referência aos descendentes dos que deixaram o Japão. COLABORARAM CIDA FONTES e NÉLIA MARQUEZ

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.