'Dilma sairá pela porta dos fundos', afirma João Doria

Candidato pelo PSDB à Prefeitura de São Paulo fez campanha na zona leste, foi abençoado pelo pároco de São Miguel Paulista e disse que vai ao debate na TV, segunda, 22, porque 'democracia se faz debatendo, não destruindo as pessoas'

Fausto Macedo, O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2016 | 14h29

O candidato à Prefeitura de São Paulo pelo PSDB, João Doria, disse neste sábado, 20, que Dilma Rousseff "terá um final triste". "Ela perderá o mandato e sairá pela porta dos fundos", afirmou.

A petista começa a ser julgada pelo Senado no dia 25. O processo do impeachment da presidente afastada atribui a ela crime de responsabilidade por pedaladas fiscais.

Em busca do apoio da Igreja Católica, Doria fez campanha na zona leste da capital, onde o pároco Geraldo Antonio Rodrigues, da Catedral São Miguel Arcanjo, em São Miguel Paulista, o recebeu para um café - Doria serviu-se de suco de laranja.

Por cerca de meia hora, eles conversaram à mesa. Depois, o padre abençoou o tucano e orou por ele, desejando-lhe sucesso no pleito de outubro.

 

Doria disse ao religioso que vai trabalhar com humildade, perseverança e tolerância.

Depois do encontro, o candidato disse que a corrupção no PT é um dos motes de sua campanha - entre os candidatos que terá de superar está o petista Fernando Haddad, que busca a reeleição, com apoio do ex-presidente Lula, alvo da Operação Lava Jato.

"Lamentavelmente, o PT, não me refiro ao PT em São Paulo, especificamente, mas ao PT na sua propositura nacional. Foi um desastre para o País, corroeu a estrutura pública brasileira, estimulou a corrupção, defendeu a usurpação e ofereceu o mais triste espetáculo da vida brasileira", declarou Doria.

Em sua avaliação, "nunca se roubou tanto na vida pública no País como na gestão Lula/Dilma".

Doria disse que está preparado para o primeiro debate na TV, marcado para esta segunda-feira, 22, na Band.

"Gosto muito do debate, é algo importante. Aceitei todos os convites para todos os debates. Democracia se faz debatendo, não é destruindo as pessoas, mas construindo propostas, debatendo propostas para a população. É assim que você pode construir uma democracia melhor para a cidade e atender a expectativa da população."

Ele disse que o seu alvo é  "fazer uma boa gestão, ser eficiente, ser correto, ser moderno, entender a cidade de São Paulo sob um prisma diferente do que ela vem sendo administrada, com mais eficiência de gestão, com maior transparência, com maior agilidade, mais descentralização e participação".

O tucano disse por que buscou o apoio da Igreja. "Eu sou católico, apostólico, romano. Sempre tive uma formação religiosa muito grande. Acho que é importante na sociedade civil você estar próximo de todos os segmentos. A Igreja Católica toca a minha própria formação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.