Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Dilma nega que Minha Casa Minha Vida vá acabar

Em evento de entrega de novos imóveis no Rio de Janeiro, a presidente afirmou que, mesmo diante de ajuste fiscal, terceira fase do programa construirá cerca de 3 milhões de moradias; 'aqui além de construir casa, a gente cria emprego', disse

IGOR GADELHA E CARLA ARAÚJO, O Estado de S. Paulo

31 de julho de 2015 | 13h13

SÃO PAULO - A presidente Dilma Rousseff afirmou nesta sexta-feira, 31,, durante discurso na cerimônia de entrega de 2.932 unidades habitacionais em Maricá (RJ), que o programa Minha Casa Minha Vida (MCMV) não vai acabar. Segundo ela, o governo vai fazer a terceira fase do programa, quando cerca de 3 milhões de novas moradias devem ser construídas. Com isso, ela ressaltou que o governo deverá entregar quase 7 milhões de residências até 2018.

"Ficam falando que o programa vai acabar. Não vai não. Primeiro porque é importante para o povo brasileiro, para aquela parte do povo que não tinha oportunidades e para quem ninguém olhou. Não vai acabar também por outro motivo. Aqui, além de construir casa, a gente cria emprego, e além disso, gira a roda da economia", defendeu a presidente. "Por isso não há hipótese de o MCMV não continuar. Nós iremos fazer sim o MCMV 3", acrescentou.

Dilma Rousseff afirmou que, durante a terceira fase do programa, o governo pretende entregar 3 milhões, que se somarão às 2,750 milhões de unidades habitacionais entregues durante a segunda fase e às 1 milhão de unidades entregues na primeira etapa do MCMV. "Com isso, vamos chegar a quase 7 milhões de moradias até 2018", afirmou a presidente. Ela não informou, contudo, a data em que a terceira fase deve começar.

Beneficiados. As 2.932 unidades habitacionais entregues hoje em Maricá devem beneficiar mais de 11 mil pessoas, segundo o governo. Elas foram divididas entre os residenciais Carlos Alberto Soares de Freitas (1.460 unidades) e Carlos Marighella (1.472 unidades). Os empreendimentos, somados, receberam investimento de R$ 195 milhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.