Divulgação
Divulgação

Dilma Roussef afirma que jamais reduzirá gastos sociais e Bolsa Família

Presidente afirmou também que encaminhará ao Senado e à Câmara uma lista com sugestão de perguntas para um possível plebiscito; convocação de consulta cabe ao Congresso

O Estado de S. Paulo,

01 de julho de 2013 | 20h06

A presidente Dilma Rousseff (PT) afirmou que não irá reduzir gastos com programas sociais no País. Em coletiva de imprensa no início da noite desta segunda-feira, 1º, interrompendo a reunião ministerial que teve nesta tarde em Brasília, Dilma afirmou que irá buscar em outras áreas recursos para fazer investimentos em mobilidade urbana e em serviços públicos, que têm sido motivos de protesto nas ruas do Brasil.

"Não vai haver a menor hipótese de reduzir qualquer gasto social, porque tudo o que conquistamos foi resultado do Bolsa Família, Luz Para Todos, Água Para Todos", afirmou a presidente, citando programas sociais desenvolvidos pelo Governo.

Em uma leitura das manifestações, a presidente afirmou que a população não tem tocado em questões que se referem a empregos ou rendimentos. "Não estamos na fase em que a grande reivindicação era por emprego ou pelo rendimento das pessoas", disse. "O povo nas ruas não pediu redução de gasto social, e o meu governo não fará, eu não farei." 

Dilma também disse que não iria comentar a pesquisa Datafolha que apontou queda na popularidade da presidente de 57% para 30% após três semanas de protestos pelo País. "Nunca comentei pesquisa. É um retrato do momento e a gente tem que respeitar", afirmou.

Plebiscito. A presidente disse que apresentará nesta terça-feira, 2, ao Congresso, uma lista de perguntas para um plebiscito sobre a reforma política. Ela enfatizou que as perguntas serão sugestões e que cabe ao Congresso e ao Tribunal Superior Eleitoral definirem o conteúdo da consulta popular. Afirmando que uma consulta não pode ter questões em excesso para não ser exaustiva, disse que pretende enviar perguntas sobre financiamento de campanha e o tipo de voto em eleições.

"Basicamente, diz respeito ao financiamento das campanhas e ao padrão de voto vigente, se é proporcional, se é distrital, se é misto. Há esse tipo de questão. Deve ser formulado e amanhã vocês vão ver bem direitinho quais são as questões", afirmou.

A presidente falou que as perguntas serão enviadas como sugestão, porque a competência de convocar um plebiscito cabe unicamente ao Congresso.

"As perguntas ficam entre o Senado e a Câmara, de um lado, e o TSE, de outro, que formata as perguntas. Está claro na Constituição que quem convoca o plebiscito e quem tem poder convocatório para o plebiscito é o Congresso Nacional. Por isso eu insisto na palavra, é uma sugestão, no que se refere à relação entre o Executivo e o Congresso", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.