Dilma reúne ministros para discutir ações emergenciais

A presidente Dilma Rousseff terá, nesta sexta-feira, 21, reunião com o ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, no Palácio do Planalto. Em pauta, as manifestações populares que tomam conta do País desde a semana passada. Dilma deve pedir ao Cardozo um balanço da situação e discutir ações emergenciais na área de segurança.

LUCI RIBEIRO, Agência Estado

21 Junho 2013 | 09h41

Apesar de a agenda da presidente trazer apenas o nome do ministro Cardozo para a reunião, a assessoria do Planalto afirmou que também devem participar da conversa os ministros da Secretaria-Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, e das Relações Institucionais, Ideli Salvatti.

Na quinta-feira, 20, mais de 1 milhão de pessoas foram às ruas em atos realizados em 75 cidades do País. Apesar do espírito pacífico da grande maioria dos manifestantes, a violência cresceu durante os protestos: uma pessoa morreu atropelada em Ribeirão Preto, no interior de São Paulo; em Brasília, a polícia precisou reprimir tentativa de invasão e depredação do Palácio do Itamaraty; e no Rio, 55 pessoas ficaram feridas.

Nova agenda

Os protestos obrigaram a presidente Dilma a mudar sua agenda. Ela cancelou as viagens que faria nesta sexta-feira, à Bahia e, na próxima semana, ao Japão. Vários ministros também resolveram ficar em Brasília nesta sexta-feira. O ministro da Fazenda, Guido Mantega, por exemplo, que estaria em São Paulo, alterou sua agenda para "reuniões internas" em Brasília.

À tarde, a presidente recebe Dom Raymundo Damasceno Assis, presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB). O tema ''manifestações e segurança'' deve também fazer parte do encontro. No mês que vem, o País receberá mais um grande evento, a Jornada Mundial da Juventude, que ocorrerá na cidade do Rio de Janeiro e contará com a participação do Papa Francisco.

Mais conteúdo sobre:
protestos Dilma reunião ministros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.