Andre Dusek/Estadão
Andre Dusek/Estadão

Dilma retoma discurso de que 'a verdade vencerá'

Em comício na capital gaúcha na noite desta sexta-feira, 22, a presidente e candidata à reeleição Dilma Rousseff voltou a dizer que, nesta eleição, a verdade e a esperança vencerão o pessimismo e a desinformação. "Esta é uma eleição que tem uma cara", afirmou. "A verdade (vencerá) porque nós temos o que mostrar. Esse País que investiu em infraestrutura, e que tem muito ainda por fazer."

GABRIELA LARA, Estadão Conteúdo

22 de agosto de 2014 | 21h53

No início de seu discurso, diante de uma plateia de cerca de cinco mil simpatizantes, Dilma relembrou sua trajetória política ao lado dos petistas Tarso Genro e Olívio Dutra, que falaram antes dela no evento - o primeiro concorre à reeleição ao governo do Estado e o segundo, ex-governador gaúcho, é candidato ao Senado. O presidente do PT, Rui Falcão, também estava no palco, assim como o ministro Ricardo Berzoini, da Secretaria de Relações Institucionais.

A presidente disse que em seu palanque não há espaço para aqueles que ficam "azarando" o Brasil. "Tem gente que azara, faz olho gordo", revelou, sem mencionar nomes. Em outro momento, ela falou que não citaria o nome dos adversários "nem morta", assim como faz o ex-presidente Lula.

"Nós, neste palanque, somos aqueles que reduzem impostos da cesta básica e da folha de pagamento para poder empregar mais", afirmou. "Os arrochadores de salário não estão aqui."

Como tem feito nos eventos de campanha, Dilma exaltou programas sociais do governo federal, como o Minha Casa Minha Vida e o Prouni e Pronatec. Segundo ela, o governo cumpriu a meta que estipulava para o Pronatec no Brasil, de 8 milhões de matrículas. Só o Rio Grande do Sul foi responsável por 500 mil.

"Antes do meu governo e do governo do Lula esse número era muito menor, porque nós no governo federal estávamos proibidos de investir em escola técnica", disse. Neste momento, Tarso lembrou a presidente de que a proibição advinha de uma lei criada pelo tucano Fernando Henrique Cardoso.

Mais cedo, Dilma visitou a estação Fenac do sistema de trem metropolitano de Porto Alegre. Ela entrou no vagão com militantes e percorreu duas paradas, antes de falar com a imprensa. Amanhã ela tem nova agenda de campanha no Rio Grande do Sul.

A presidente também se negou a citar os adversários durante comício. "Estou aqui que nem o Lula. Não falo nome de adversário nem morta", disparou.

A presidente também enfatizou a intenção de ver a rodovia Norte-Sul chegar ao Porto de Rio Grande. O discurso de Dilma Rousseff durou cerca de 30 minutos. Ao término, a presidente pediu que os eleitores votem nos candidatos do PT e coligação para manter o crescimento do Estado gaúcho e do Brasil. "Asseguro que vamos entregar um Rio Grande mais próspero, moderno e inclusivo", disse.

Neste sábado, 23, Dilma Rousseff cumpre mais uma agenda pela manhã em Porto Alegre com prefeitos, vice-prefeitos e lideranças que compõem a coligação. Durante a tarde, ela irá gravar material de campanha em solo gaúcho.

Mais conteúdo sobre:
ELEIÇÕESDILMA ROUSSEFFRS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.