Dilma retira indicação de embaixador na Suécia

A presidente Dilma Rousseff retirou oficialmente a indicação do diplomata Marcel Biato como embaixador na Suécia. A indicação havia sido feito em junho e o governo sueco já havia até mesmo dado o chamado ''agrèment'', os documentos de aceitação da nomeação. No texto, a presidente apenas pede aos senadores da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE) que retirem de tramitação a mensagem.

LISANDRA PARAGUASSU E TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

27 de agosto de 2013 | 17h54

O Palácio do Planalto acredita que Biato, apesar de não estar na embaixada brasileira em La Paz quando o senador Roger Pinto Molina foi retirado pelo encarregado de negócios, Eduardo Saboia, tem envolvimento no caso. E, mesmo se não tiver relação direta com a fuga, a presidente o culpa por ter autorizado a entrada do senador sem ter consultado o Itamaraty, apresentando o governo com um fato consumado.

Biato foi nomeado em junho para embaixada em Estocolmo como parte de uma negociação com o governo da Bolívia. A chancelaria do país alegava dificuldades para trabalhar com Biato, que chegou a ser deixado de fora de reuniões em que participaram o ex-chanceler Antonio Patriota e seu colega David Choqueuanca. O agrèment foi concedido em 26 de junho, mas a sabatina na CRE, obrigatória, ainda não tinha sido marcada.

O diplomata estava de férias desde o 17 de agosto, quando Saboia assumiu interinamente como encarregado de negócios. Ele nega qualquer participação de Biato e afirma que o comunicou apenas quando chegou com Roger Pinto Molina a Corumbá (MS).

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaSuéciaMarcel Biato

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.