Roberto Stuckert Filho/Divulgação
Roberto Stuckert Filho/Divulgação

Dilma reforça discurso feminista para movimento 'Ação da Mulher Trabalhista'

Pré-candidata petista disse que ocupou 'o cargo de maior relevância' no governo Lula

Eduardo Kattah, de O Estado de S. Paulo,

28 Maio 2010 | 23h51

BELO HORIZONTE- Em discurso para cerca de 600 representantes da Ação da Mulher Trabalhista (AMT), movimento ligado ao PDT, a pré-candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, fez críticas à gestão tucana e disse nesta sexta-feira, 28, que o governo Lula livrou o país de um modelo de estagnação econômica e desemprego.

 

Dilma, que militou a maior parte de sua trajetória política na legenda trabalhista, reencontrou antigas companheiras durante o 5º congresso nacional da AMT, que está sendo realizado em Belo Horizonte. Em clima de campanha, a pré-candidata petista lembrou que foi uma das fundadoras do movimento na década de 1980 e disse que essa será a campanha que levará pela primeira vez uma mulher à Presidência da República.

 

"Nós sabemos que temos que temos um caminho longo pela frente. Sabemos que nessa luta vai aparecer muita gente falando, criticando e, sobretudo, tentando que a roda da vida volte para trás", afirmou, sem citar nomes. "Nos livramos do modelo que era de estagnação, de desemprego, de desigualdade. Abrimos um caminho com o presidente Lula para um novo momento do país, que é o momento de uma nova era de prosperidade."

 

Dilma fez um discurso apropriado para o evento, ressaltando o papel das mulheres nos avanços sociais do país e se comprometendo com causas femininas. "Somos capazes sim de dirigir o Brasil porque temos várias qualidades. As mulheres são pragmáticas e práticas, as mulheres são sensatas", disse. "A mulher cuida e um país como o nosso precisa disso, precisa de cuidado."

 

A ex-ministra da Casa Civil afirmou também que as mulheres tiveram um importante papel na gestão Lula, destacando que ocupou "o cargo de maior relevância no governo."

 

Mineira, gaúcha e guerrilheira

 

Dilma chegou ao evento por volta das 20h e foi recebida aos gritos de "Brasil para frente, Dilma presidente." Durante uma hora e quinze minutos, representantes de vários movimentos femininos se revezaram no microfone. A petista foi chamada de "nossa menina de BH" pela vereadora da capital mineira Neuza Santos (PT) e de "gaúcha" pela prefeita de Santa Margarida do Sul, Cláudia Goulart. "Dilma, tu é gaúcha", disse a prefeita. "Quanto te faltar peito (para enfrentar a campanha), se apoia nessas mulheres."

 

A mexicana Maria Zapata, presidente do Fórum Internacional pelos Direitos da Mulher, lembrou o passado da petista de militante de movimentos armados de combate ao regime militar. "Também fui guerrilheira, com muito orgulho", disse, se dirigindo à pré-candidata.

 

"Estou aqui para pedir votos para eleger uma mulher brava e guerreira", completou Laize Molier, da Secretaria Nacional das Mulheres do PT.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.