Dilma reduz resistências no PT e entre aliados

Sem candidato natural, partido tende a se render ao projeto de Lula

Vera Rosa, O Estadao de S.Paulo

15 de novembro de 2008 | 00h00

Alvo de fogo amigo até há pouco tempo, a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, é preparada há cerca de um ano, dentro do Palácio do Planalto, para ser candidata do PT à sucessão do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em 2010: ela já ganhou ghost-writer para escrever seus discursos, faz treinamento de mídia para entrevistas e tem a consultoria do marqueteiro João Santana. Embora Lula tenha dito, em Roma, que ainda não conversou com a ministra sobre o plano de torná-la sua herdeira, não é de hoje que ele dá conselhos à "afilhada" sobre como se aproximar dos aliados e até mesmo da oposição.Mais sorridente e política, Dilma fez tratamento facial, mudou a cor do cabelo, mas conseguiu diminuir as resistências à sua candidatura nas fileiras do PT por motivo mais pragmático: o partido não tem concorrente natural para assumir o legado de Lula, que, desde 1989, foi o único candidato petista às eleições presidenciais.Para piorar a situação, o PT também não projetou nenhuma liderança, nas disputas municipais do mês passado, capaz de desafiar o desejo do presidente. Marta Suplicy foi derrotada em São Paulo e o governador da Bahia, Jaques Wagner, não emplacou o prefeito de Salvador."Eu acho que Dilma adquiriu jogo de cintura política e pode até aposentar aquele bambolê", disse o deputado Henrique Eduardo Alves (RN), líder do PMDB na Câmara, que no início do ano mandou entregar o presente à ministra no auge da briga por cargos no setor elétrico.Alves comparou o comportamento de Dilma ao do governador José Serra (PSDB), provável adversário da ministra na campanha ao Planalto. "Serra também era antipático e hoje é simpaticíssimo. Todos mudam." Até agora, no entanto, o PMDB ocupa posição de espectador no jogo sucessório e namora tanto o PT como o PSDB. "O importante, antes da escolha de qualquer nome, é unir a base aliada para que possamos estar juntos em 2010", insistiu o líder do PMDB.A entrada de Dilma no páreo presidencial enfrenta contestações no PT de Minas, do Rio Grande do Sul e em fatias do petismo em São Paulo. O ministro da Justiça, Tarso Genro, é o porta-voz dos descontentes gaúchos. Depois que o ex-chefe da Casa Civil José Dirceu e o deputado Antonio Palocci (SP), ex-ministro da Fazenda, foram abatidos por escândalos, Tarso achou que era sua hora. Não foi.Sem conseguir seu intento, o ministro trabalha para ser candidato ao governo do Rio Grande do Sul. "Na questão da sucessão à Presidência, eu estou subordinado ao presidente Lula que, como é óbvio, não me tem como pré-candidato", afirmou, resignado, ainda em agosto.Três meses depois, no entanto, às voltas com insistentes pressões do PMDB - de olho na sua cadeira porque quer controlar a Polícia Federal -, Tarso ainda não conseguiu parar de alfinetar Dilma, que quer fazer do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) o carro-chefe de sua campanha.O ministro do Desenvolvimento Social, Patrus Ananias, ainda acalenta o sonho de ser o preferido por Lula. Seus aliados argumentam que o Bolsa-Família será uma plataforma muito mais vistosa do que o PAC. "Como é a primeira vez que Lula não vai disputar, é natural que esse debate seja feito no partido", avaliou o presidente do PT, deputado Ricardo Berzoini (SP). "Mas o nome de Dilma já está na praça." Até na praça do Vaticano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.