André Dusek
André Dusek

Dilma recebeu Collor por mais de duas horas no Alvorada na sexta-feira

Abertura da presidente afastada a parlamentares na reta final do impeachment faz parte de uma estratégia para tentar reverter votos a seu favor

Carla Araújo, Rachel Gamarski, Murilo Rodrigues Alves e Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

27 de agosto de 2016 | 16h01

BRASÍLIA - A presidente afastada Dilma Rousseff recebeu na tarde da sexta-feira, 26, por mais de duas horas, uma visita do senador e ex-presidente Fernando Collor (PTC-AL), no Palácio da Alvorada. A conversa foi reservada e, segundo pessoas próxima a Dilma, solicitada pelo senador. A abertura de Dilma a parlamentares na reta final do impeachment faz parte de uma estratégia para tentar reverter votos a seu favor.

Collor, que sofreu um processo de impeachment, não anunciou claramente o seu voto durante a sessão que decidiu pelo prosseguimento do processo de afastamento de Dilma Rousseff. Por outro lado, o senador não poupou críticas ao governo petista. Na ocasião, Collor comparou o processo de Dilma com o seu, em 1992, e defendeu que a chefe do executivo é a responsável por improbidades administrativas e deve responder por crime de responsabilidade.

Segundo um interlocutor de Dilma, a conversa com o senador aconteceu no mesmo momento em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se reunia com o senador e ex-ministro de seu governo e de Dilma, Edison Lobão (PMDB-MA). Ele já votou contra a presidente afastada, mas agora diz estar indeciso. Lula desembarcou em Brasília para também tentar conquistar votos contra o impeachment.

O PT tenta ainda tenta atrair os senadores João Alberto (PMDB-MA) - que havia se posicionado a favor de Dilma, mas na última sessão foi contra - e Roberto Rocha (PSB-MA). A ordem da cúpula petista é atender às reivindicações de todos nas disputas municipais, mesmo que para isso seja necessário mudar parceiros nas alianças.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.