Divulgação
Divulgação

Dilma recebe nota baixa em ranking sobre 'ímpeto reformista'

Entre sete líderes de países emergentes avaliados, presidente fica em 5º lugar em estudo que mede comprometimento com reformulação de políticas econômicas

ÁLVARO CAMPOS, O Estado de S. Paulo

07 de janeiro de 2015 | 11h34

São Paulo - Apesar de a situação macroeconômica brasileira não ser nada animadora, as perspectivas de mudança em 2015 não trazem nenhum alívio, segundo aponta um estudo da consultoria britânica Trusted Sources, especializada em mercados emergentes. Em um ranking sobre o ímpeto reformista de sete líderes de países emergentes, a presidente Dilma Rousseff aparece em quinto lugar, melhor apenas que o presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, e o presidente da África do Sul, Jacob Zuma.

A consultoria atribuiu nota para os chefes de governo, variando de +2 a -2, e vai atualizar essas avaliações a cada dois meses. Nessa primeira etapa, Dilma obteve nota -1,5. "A presidente reeleita precisa se comprometer com uma reformulação das políticas econômicas, em meio a crescentes problemas econômicos e um grande escândalo de corrupção", diz a Trusted Sources, se referindo às denúncias envolvendo a Petrobrás.


O capítulo sobre o Brasil, intitulado "A verdadeira Dilma poderia por favor se levantar?", afirma que as políticas econômicas heterodoxas da presidente, juntamente com condições externas adversas, levaram o País para a recessão. A mensagem da candidata durante a campanha presidencial foi clara: as políticas ortodoxas da oposição resultariam em aumento do desemprego e colocariam em risco as conquistas sociais dos governos do PT. "Porém, pouco após a eleição, ela começou a indicar que poderia abandonar seu modelo 'Dilmanomics' e adotar um caminho mais ortodoxo", afirma o texto, assinado pela pesquisadora Elizabeth Johnson.

A analista aponta que Dilma indicou o "ultraortodoxo" Joaquim Levy para comandar o Ministério da Fazenda, o que agradou os investidores, embora nem todos estejam convencidos de que ela dará autonomia para o subordinado. O relatório comenta que o pito passado por Dilma no novo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, sobre mudanças na fórmula de reajuste do salário mínimo, mostra que ela parece não ter mudado a postura do primeiro mandato.

"O incidente confirma que a inclinação da presidente para controlar de perto seus ministros não desapareceu. Também ressalta a difícil batalha para impor medidas de austeridade ao governo, sendo que a maioria delas precisa ser aprovada não só por Dilma, mas também por um Congresso fragmentado", afirma o texto.

A análise chama atenção ainda para o escândalo da Petrobrás, que pode afetar a popularidade de presidente, que por vários anos comandou o conselho de administração da companhia. "Dilma precisará transformar-se em uma hábil política, algo para o que ela mostrou pouco interesse ou capacidade nos últimos anos. Se não conseguir fazer isso, se tornará testemunha da destruição da Petrobrás e estagnação da economia", afirma Elizabeth.

Ranking. O país mais promissor no ranking de ímpeto reformista da Trusted Sources é a Índia, comandada por Narendra Modi, com uma nota +1,5. Em seguida aparece a Indonésia, do presidente Joko Widodo (também nota +1,5), seguida pela China, de Xi Jinping (+1). O México é o quarto do ranking, com o presidente Enrique Peña Nieto recebendo uma nota +1.

"Os líderes desses quatro países sobre os quais nós temos uma avaliação positiva precisam entregar resultados em 2015 em meio a condições econômicas desafiadoras. Nós analisamos o impacto pessoal e políticas de cada um deles, sob a luz do contexto político e social, além de considerar as forças aparentemente inexoráveis da lógica econômica", diz o relatório. "Aqueles que reconhecem a necessidade de mudanças estruturais e estão preparados para investir seu capital para superar os obstáculos políticos e sociais representam a melhor chance de uma retomada nos prospectos de uma expansão sustentável para as economias emergentes", acrescenta.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffTrusted Sources

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.