Dilma recebe ministro dos Transportes para decidir futuro da pasta

Saída de César Borges, filiado ao PR, é solicitada pelo próprio partido; após reunião, presidente fala com Paulo Sérgio Passos, que já comandou a pasta

Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

25 Junho 2014 | 11h01

Brasília - O ministro dos Transportes, César Borges, do PR, saiu da reunião com a presidente Dilma Rousseff no Palácio da Alvorada, na manhã desta quarta-feira, 25, mas não falou com a imprensa. Pouco antes de entrar para audiência, o ministro havia dito ao Broadcast não ter a menor ideia do teor da conversa para a qual foi convocado, mas que "não tem nada com entregar cargo". No entanto, em seguida Paulo Sérgio Passos chegou para uma audiência com Dilma. Eke já foi titular da pasta e é um nome do agrado dela para substituir Borges.

O PR compõe a base aliada da Dilma mas apresentou condições para manter o apoio à candidatura da presidente. Líderes do partido dizem que César Borges, apesar de filiado à legenda, não representa a sigla e exigiram sua saída.

Com 31 deputados e quatro senadores, o PR tem um minuto de propaganda eleitoral, tempo considerado precioso em momentos de campanha acirrada. Depois de perder o PTB, Dilma não quer arriscar mais problemas com aliados, agora com o PR. Daí a possibilidade de ceder à pressão da direção do partido, que não quer a permanência de César Borges no cargo. O partido quer substituir o ministro, mas também diz não aceitar a volta do ex-ministro Paulo Sérgio Passos, que agora está à frente da Empresa de Planejamento e Logística (EPL).

Chegaram também a participar da reunião no Alvorada o ministro de Portos, Antonio Henrique Silveira, que é da cota do PROS e esteve reunido ontem com o vice-presidente da República, Michel Temer, e o ministro de Comunicação Social, Thomas Traumann. O ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, também estava na reunião.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.