Roberto Stuckert Filho/PR
Roberto Stuckert Filho/PR

Dilma recebe juristas no Alvorada e pede integração de especialistas com o Senado

A presidente afastada disse estar aberta a qualquer proposta para derrubar o 'golpe em curso'

Carla Araújo, O Estado de S.Paulo

05 de julho de 2016 | 18h03

BRASÍLIA - No dia em que confirmou que não irá participar de interrogatório na Comissão Especial do Impeachment, a presidente afastada Dilma Rousseff recebeu representantes da Frente Brasil de Juristas pela Democracia, no Palácio da Alvorada, e disse estar aberta a qualquer proposta para derrubar "o golpe em curso" dado pelo governo em exercício Michel Temer. Dilma pediu ainda que os especialistas façam algum tipo de integração com o Senado, que é o responsável pelo processo de impeachment. 

Dilma disse que, "nessa guerra" para matar o "parasita", "todas as propostas do campo democráticas são legítimas". "Temos de estar abertos para qualquer proposta, seja plebiscito, eleições gerais, eleição presidencial. E tem de tentar unificar. O que não é possível é a proposta de eleição indireta que virá".

Ao exaltar o apoio de juristas, Dilma disse que a reunião "era uma grande conquista" e que apesar de achar que não precisaria de um "golpe" para aprender "uma porção de coisas" era preciso aproveitar a unidade do grupo em defesa da democracia. "Já que deram (o 'golpe') é hora de a gente ser capaz de construir essa frente e usá-la para criar a unidade entre nós", disse. Segundo Dilma, "uma parte dessa briga é lá no Senado". "E essa briga no Senado tem regras próprias. Acho que a gente tem de ser capaz de fazer uma interação de vocês com o Senado", disse. 

A presidente afastada fez uma defesa do governo do PT em 13 anos, citou as conquistas sociais e reforçou que "até agora" o governo Temer ainda não tem medidas irreversíveis. "Mas o estrago deles em dois meses faz a gente temer", disse.  

Dilma citou a "chantagem" do então presidente da Câmara, Eduardo Cunha, hoje afastado, e disse que o processo de impeachment mostra a "tentação do parlamentarismo" e que o "golpe é um processo de eleição indireta". "O parlamento brasileiro é mais suscetível ao poder do dinheiro, na eleição presidencial a cena política fica mais aberta", afirmou, ressaltando que diante da crise econômica "sempre aparece um conflito distributivo". 

Dilma afirmou ainda que a PEC que limita o teto dos gastos públicos afeta "a questão distributiva no seu coração". "Nós somos obrigados, a União, a gastar 18% em educação. Ano passado gastamos 18% mais R$ 54 bilhões. Ninguém, a não ser com o nível de privatização de educação monstruoso, conseguirá esse processo em 20 anos", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.