Dilma recebe apoio no Congresso após ser chamada de 'galinha'

Bancada feminina realizou ato em solidariedade a ministra da Casa Civil também no caso do dossiê

LISANDRA PARAGUASSU, Agencia Estado

09 de abril de 2008 | 12h04

A bancada feminina do Congresso Nacional foi nesta quarta-feira, 9, ao Palácio do Planalto para um ato de desagravo à ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, que na semana passada foi chamada de "galinha cacarejadora" pelo senador Mão Santa (PMDB-PI), em discurso no plenário. Dirigentes de entidades feministas também participaram da cerimônia, mas na saída ninguém falou com a imprensa.  Veja Também: PF apreende 6 computadores para perícia no caso do dossiêGaribaldi cria CPI dos cartões no SenadoBase fará de tudo para impedir CPI no Senado, diz Fontana PF abre inquérito para apurar vazamento de dados de FHCDossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos  No ato, parte das parlamentares manifestaram também solidariedade à ministra, que vem sofrendo pressões no caso do suposto dossiê, que teria saído da Casa Civil, com gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. O ministro das Relações Institucionais, José Múcio Monteiro, também participou do ato. A ministra, segundo relato de fotógrafos que registraram o encontro, declarou-se emocionada. Lei do silêncio A ministra impôs a lei do silêncio no Palácio do Planalto sobre o caso do dossiê com os gastos do ex-presidente Fernando Henrique e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso. Apesar disso, o vice-presidente José Alencar defendeu ontem o comparecimento de Dilma no Congresso para prestar depoimento na Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Cartões . ?Eu penso que ir a uma CPI para prestar esclarecimentos à Nação, desde que haja honestidade absoluta de propósitos daqueles que são também responsáveis, porque foram eleitos pelo povo e estão representando o povo, é uma coisa normal?, afirmou Alencar.Alencar defendeu a ida da ministra à CPI minutos depois de ela se negar a falar sobre o dossiê. Após uma solenidade no Planalto, cercada de jornalistas, ela disse que não falará sobre o tema enquanto a Polícia Federal não concluir a investigação, aberta na segunda-feira. Além da ministra, silenciaram todos os outros funcionários da Casa Civil citados como participantes da reunião do dia 8 de fevereiro - quando teria sido tomada a decisão de coletar os dados para o dossiê. Ou não atendem ao telefone ou dizem, no máximo, que só o jornalista Nelson Breve, da assessoria de imprensa da Presidência, está autorizado a falar com os jornalistas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.