Dilma recebe apoio de intelectuais, movimentos sociais e artistas contra impeachment

O grupo, de cerca de 60 pessoas, faz parte da chamada Frente Brasil Popular, e foi um dos responsáveis por organizar as manifestações de rua que se espalharam por todo o Brasil na quarta-feira

Isadora Peron, O Estado de S.Paulo

17 de dezembro de 2015 | 14h18

Brasília - A presidente Dilma Rousseff recebeu nesta quinta-feira, 17, o apoio de representantes de movimentos sociais, intelectuais e artistas que são contra o impeachment, mas teve de ouvir deles críticas à condução da política econômica.

O grupo, de cerca de 60 pessoas, faz parte da chamada Frente Brasil Popular, e foi um dos responsáveis por organizar as manifestações de rua que se espalharam por todo o Brasil na quarta-feira.

"Nós somos contra o golpe e a favor da democracia", disse o líder Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST), João Pedro Stedile.

Na sequência, porém, ele emendou: "Mas, ao mesmo tempo, viemos dizer que nós defendemos todos os direitos dos trabalhadores e somos contra qualquer política de ajuste fiscal do governo. Por isso, criticamos o governo naquelas medidas que já foram tomadas pelo Ministério da Fazenda, como corte do seguro desemprego e da ajuda aos pescadores".

Além da guinada à esquerda, o grupo cobrou do governo "medidas concretas" para que o País possa voltar a crescer. Questionados se a presidente havia dado algum sinal de que estava disposta a atender o pleito ou havia mencionado uma eventual substituição do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, eles desconversaram.

"A Central Única dos Trabalhadores tem muito firme as suas posições contra a política econômica. Levy não nos representa. Nós trouxemos essas demandas à presidente e ela respondeu a elas muito positivamente, mas colocou os limites que o governo tem", disse a sindicalista Janeslei Albuquerque.

Ao final, o ministro Patrus Ananias (Desenvolvimento Agrário) minimizou as críticas e afirmou que o governo tem mais "convergências do que divergências" com os movimentos sociais.

Também participaram do encontro nomes como o teólogo Leonardo Boff , o cantor Tico Santa Cruz e a presidente da União Nacional de Estudantes (UNE), Carina Vitral.

Desde que foi deflagrado o processo de impeachment, no início do mês, a presidente tem tentado demonstrar força política. Ela já se reuniu com juristas, governadores e prefeitos que não concordam com o seu afastamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.