Dilma rebate Serra e nega pré-campanha no interior de SP

'Como ministra eu preciso vistoriar as obras e demos ênfase a trabalhos que priorizassem a população', disse

Cláudio Dias e Gustavo Porto, da Agência Estado,

19 Outubro 2009 | 14h25

Cartaz em estádio inaugurado por Dilma na cidade de Araraquara. Foto: Lucas Tannuri/Tribuna Impressa

 

A ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, rebateu nesta segunda-feira, 19, Às críticas do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), que no domingo, 18, comparou o projeto de continuidade do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, por meio da eventual candidatura da ministra à sucessão ao Palácio do Planalto, com capitanias hereditárias, do século XVI.

 

"É compreensível que o governador Serra, como membro da oposição, não queira a continuidade do governo do presidente Lula", afirmou Dilma. "O projeto que ele defende é o do ex-presidente Fernando Henrique (Cardoso)", emendou a ministra, durante visita a Araraquara.

 

Veja Também

linkLina diz ter encontrado agenda com reunião com Dilma

linkPSDB quer convocar Lina Vieira para explicar sobre agenda

linkDilma Rousseff reitera que não teve reunião com Lina Vieira

 

A comparação entre Serra e FHC é parte da estratégia, defendida pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, de promover uma campanha plebicitária, contrapondo o seu governo, representado por Dilma, ao de FHC - cujo pré-candidato seria Serra.

Ainda na cidade paulista, Dilma negou que estivesse em pré-campanha, apesar de ser considerada candidata à sucessão de Lula e defender a continuidade do atual governo. "Nós estamos fazendo o que sempre fizemos, olhando as nossas obras", disse. "O fato de termos muitas obras para olhar parece que incomoda muitas pessoas", completou a ministra. Depois, Dilma se reuniu com prefeitos paulistas no município de São Carlos.

 

A ministra está Araraquara, a 270 quilômetros de São Paulo, para fazer uma pré-inauguração da Arena da Fonte, um estádio multiuso de R$ 27 milhões construído com dinheiro do governo federal.

 

Dilma justificou a visita ao interior de São Paulo como parte das atribuições do cargo que ocupa no governo Lula. "Como ministra eu preciso vistoriar as obras e, desde o começo, demos ênfase a trabalhos que priorizassem a população." Uma faixa afixada por membros do PT na entrada do estádio dizia: Dilma Rousseff - 3º mandato do presidente Lula.

 

A violência no Rio de Janeiro também virou pauta. O ministro dos Esportes, Orlando Silva, acredita que o episódio do confronto com traficantes não gera impacto negativo mundial e garantiu que a cidade será segura nas Olimpíadas de 2016. Dilma, por sua vez, afirmou que o problema será resolvido por duas frentes: repressão policial e projetos de inclusão social.

 

Os dois ministros ainda se comprometeram a fazer um jogo festivo entre governo federal e municipal, na Arena, no dia 23 de dezembro. "Eu irei apitar a partida", disse a ministra.

 

Agenda intensa

A agenda da ministra no Estado de São Paulo foi intensa nesta segunda-feira. Após visitar o estádio recém-inaugurado, a ministra almoçou com prefeitos da região de São Carlos.

 

Depois, na mesma cidade, visitou o Hospital-Escola Municipal Professor Dr. Horário Carlos Panepucci.
 
 
À noite, Dilma comparece a uma cerimônia na capital paulista, na qual encontrará com o presidente Lula.

 

Mais conteúdo sobre:
Dilmapré-campanhaeleições

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.