Dilma rebate revista e diz que negociação do Tamiflu não passou pela Casa Civil

Petista negou que vá comparecer à CCJ do Senado para explicar denúncias; 'convite do senador Álvaro Dias, eu não aceito nem para um cafezinho', afirmou

Estadão.com.br, com informações da Agência Brasil,

19 de setembro de 2010 | 12h36

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, rebateu neste domingo, 19, a denúncia publicada na revista Veja desta semana, de que houve favorecimento de uma empresa na compra do medicamento Tamiflu. A petista afirmou que considerou a reportagem "estranha" e argumentou que a negociação de compra do medicamento foi feita diretamente entre o Ministério da Saúde e o laboratório, sem passar pela Casa Civil.

 

Dilma também negou a possibilidade de comparecer à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado para dar explicações sobre as denúncias de tráfico de influência na Casa Civil. "Isso não é um convite, é uma tentativa do senador Álvaro Dias de criar mais um factoide. Ele tem tentado sistematicamente tumultuar esta eleição. Convite do senador Álvaro Dias, eu não aceito nem para um cafezinho", disse.

 

Caged

 

Dilma comemorou ainda os dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), anunciados pelo governo na semana passada. Ela disse que até o fim do ano, o governo deve atingir a marca de 15 milhões de empregos formais - com carteira assinada.

 

"É preciso criar um volume de emprego compatível com as necessidades do tamanho da nossa população". Ela deu a declaração em entrevista coletiva, antes de iniciar uma carreata em Ceilândia, cidade-satélite do Distrito Federal (DF), a 30 quilômetros do Plano Piloto.

 

Segundo Dilma, o tempo médio que o brasileiro leva para conseguir um emprego tem caído, e o Brasil entrou em uma trajetória de crescimento do número de vagas formais. A candidata reafirmou que seu compromisso prioritário, caso eleita, será a erradicação da pobreza e disse que as políticas sociais precisam ser aceleradas.

 

Após a entrevista, Dilma seguiu em carro aberto pelas ruas da Ceilândia, acompanhada pelo candidato do PT ao governo do DF, Agnelo Queiroz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.