Roberto Stuckert Filho|Presidência da República
Roberto Stuckert Filho|Presidência da República

Dilma rebate opositores e diz que eles 'não vão atropelar a democracia'

Presidente sai em defesa de seu mandato em viagem pela Bahia para entregar moradias do Programa Minha Casa Minha Vida

Heliana Frazão, especial para O Estado, O Estado de S. Paulo

22 de dezembro de 2015 | 16h14

Camaçari - A presidente Dilma Rousseff afirmou à população, no início da tarde desta terça-feira, 22, em Camaçari, na Região Metropolitana de Salvador, que não haverá impeachment porque o Brasil é uma democracia forte com instituições fortes. Ela lembrou ter sido eleita com 54 milhões de votos e que a melhor forma de honrar e agradecer aos seus eleitores é ter coragem para enfrentar a crise pela qual passa o País e jamais deixar de enfrentar aqueles que acham que o melhor jeito de chegar à Presidência é atropelar a democracia.

"Não vão atropelar a democracia, eu tenho vida pública e biografia absolutamente sem manchas e tenho compromisso com o dinheiro público deste país, que será dirigido àqueles que mais precisam. Os que nunca tiveram voz nem vez. No que depender de mim terão voz. São cidadãos, que me escolheram democraticamente", discursou, ao participar da cerimônia de entrega de 1104 casas, construídas no município, por meio do programa Minha Casa Minha Vida, do governo federal. Em todo o País, foram entregues nesta terça-feira, 7.555 unidades. 

Dilma admitiu que o País passa por dificuldades, mas afirmou que o Brasil não está parado. "Continuamos construindo casas, pagando o Bolsa Família, entregamos hoje mais uma estação do metrô de Salvador. Posso garantir, o País não vai  parar", assegurou. Disse ainda que o seu governo continuará gerando renda, criando emprego, e trabalhando todos os dias para vencer a crise.

"Conto com vocês. Com o destemor de vocês. Juntos, iremos superar e vencer a crise", conclamou, afirmando que "conquistaremos dias melhores".

Referindo-se especificamente ao programa habitacional, Dilma disse que o seu governo fez uma opção política de usar o dinheiro dos impostos para garantir que as famílias que mais precisam tivessem acesso ao sonho da casa própria, observando que  de outra forma esse sonho não caberia  no orçamento dessas famílias. " Foi para ela que destinamos os impostos, isso começou com o ex-presidente Lula", lembrou, acrescentando que a  meta é tentar cumprir até final de 2018, mais 3 milhões de moradias, caso não consiga cumpri-la, deixa rá contratada. 

Na opinião da presidente, o seu governo tem que ser julgado de um jeito justo e claro. "Tem governo que nunca deu bola para o seu povo, não fez ações que garantam uma questão fundamental que é a igualdade de oportunidades. Por isso acho importante gastar o dinheiro fazendo o minha casa minha vida", disse.

 Dilma recebeu apoio de outros dois aliados, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), e o prefeito de Camaçari, Ademar Delgado (PT), que em suas falas disseram que não haverá golpe, numa referência ao pedido de impeachment da comandante do país, assinado pelos partidos de oposição.  

"Temos é que trazer habitação e educação para o Brasil", disse Ademar, enquanto Rui destacou que o povo não vai abrir mão do voto que deu à reeleição de Dilma, em 2014.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.