Ed Ferreira/Estadão
Ed Ferreira/Estadão

Dilma rebate Cunha e diz que não há qualquer segmento 'acima de qualquer suspeita'

Presidente afirmou que corrupção 'não nasceu hoje' e que pode estar também no setor privado; mais cedo Cunha atribuiu o problema ao Executivo

Rafael Moraes Moura, Ricardo Della Coletta e Tânia Monteiro, O Estado de S. Paulo

16 de março de 2015 | 18h31

Brasília - Em resposta ao presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), a presidente Dilma Rousseff disse na tarde desta segunda-feira, 16, que a corrupção é "uma senhora bastante idosa" no Brasil e que não existe "qualquer segmento" que esteja acima de qualquer suspeita.

Em coletiva de imprensa na sede da Fiesp, em São Paulo, Cunha disse que "a corrupção no Brasil não está no Poder Legislativo, está no poder Executivo". Em tom de crítica, Cunha comentou que não acusava o governo de conivência com a corrupção, mas por problemas de governança. 

O peemedebista está sendo investigado perante o Supremo Tribunal Federal (STF) por conta de suposto envolvimento em um esquema de corrupção na Petrobrás, deflagrado pela Operação Lava Jato.

"Essa discussão não leva a nada. A corrupção não nasceu hoje, ela não só é uma senhora bastante idosa neste País, como ela não poupa ninguém, ela pode estar em tudo quanto é área, inclusive no setor privado", rebateu Dilma, em entrevista no Planalto depois de participar de solenidade de sanção do novo Código de Processo Civil.

"Agora não vamos achar que tem qualquer que seja, qualquer segmento acima de qualquer suspeita. Isso não existe."

Poder corruptor. Ao falar que o dinheiro tem "esse poder corruptor", Dilma destacou a crise financeira econômica mundial nos anos de 2008 e 2009, marcada por denúncias de fraude bancária. "Nós temos de ter vigilância, instituições, legislação pra impedir que ocorra", ressaltou a presidente.

"O combate à corrupção começa também através de um processo educacional. O fato de você não querer ganhar vantagem em tudo, de você valorizar o trabalho, valorizar a pessoa que conquistou as coisas com seu próprio valor", observou. 

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma Rousseffprotestoscorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.