Dilma rebate críticas a nomeações por indicação política

Na solenidade de posse do novo ministro do Turismo, Gastão Vieira, a presidente Dilma Rousseff rebateu, de forma indireta, as críticas a nomeações de ministros escolhidos por meio de indicações de políticos aliados. Dirigindo-se a Vieira, Dilma afirmou que "as escolhas políticas não desmerecem nenhum governo". Ela acrescentou ser com a ajuda de "partidos, técnicos e especialistas que se governa". E concluiu: "A política bem exercida é nobre e imprescindível à sociedade democrática".

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

16 de setembro de 2011 | 17h56

Ainda respondendo às críticas ao novo ministro, que vem da área de Educação, e não do Turismo, Dilma afirmou que as duas áreas são "contíguas, vizinhas e, portanto, muito próximas" e que essa proximidade vai trazer "uma agregação de valor ao poder". Segundo a presidente, tanto a Educação quanto o Turismo são "setores de prestação de serviços", que têm os cidadãos como consumidores. "A qualidade dessa oferta e a formação dessas pessoas faz toda a diferença", alegou.

Dilma agradeceu, em uma frase, o antecessor de Vieira: "Agradeço a colaboração do ex-ministro Pedro Novais que esteve conosco até aqui". Novais deixou o governo sob uma enxurrada de denúncias, que foram da Operação Voucher da Polícia Federal até o pagamento de funcionários particulares com dinheiro público, da verba parlamentar.

Dilma afirmou que Vieira enfrentará o desafio de "estruturar uma indústria" para a qual não se havia dado importância, mas que movimenta bilhões de dólares por ano. Também lembrou que o turismo é um grande desafio, por duas razões: pelos três grandes eventos internacionais que vai sediar - a Copa das Confederações, a Copa do Mundo de 2014 e a Olimpíada de 2016. Em segundo lugar, pela elevada taxa de crescimento dos voos domésticos. "Vamos cumprir nossas obrigações na área do turismo, provendo estrutura e serviços adequados aos brasileiros e aos nossos visitantes estrangeiros", afirmou.

Mais conteúdo sobre:
Gastão VieiraposseDilma

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.