Andre Dusek/AE
Andre Dusek/AE

Dilma reage a críticas e diz ter encontrado sozinha solução para crise

Ao empossar Gleisi Hoffmann no lugar de Palocci na Casa Civil, presidente não cita Lula; nova ministra dá sinais de que atuará nas negociações políticas

Leonencio Nossa e Tânia Monteiro, de O Estado de S. Paulo

08 de junho de 2011 | 23h00

BRASÍLIA - Depois de enfrentar três semanas de desgaste e ouvir críticas de imobilismo e falta de habilidade política, a presidente Dilma Rousseff aproveitou a despedida de Antonio Palocci da Casa Civil nesta quarta-feira, 8, – até então o homem forte do governo, da cota do ex-presidente Lula – para tentar demonstrar reação e retomada do controle do governo. Enfatizou, ainda, que coube a ela própria encontrar a saída para a crise. "Jamais vamos ficar imobilizados diante de embates políticos, pois sabemos travar o embate e, ao mesmo tempo, governar", disse a presidente.

 

Veja também:

linkEstadão ESPN: Ouça trecho do discurso de Palocci

especialEstadão ESPN: Ouça íntegra do discurso de Gleisi no Senado

mais imagensVeja as fotos da posse da nova ministra

 

Em solenidade no Planalto, ela fez questão de dizer que escolheu sozinha a senadora Gleisi Hoffmann para substituir Palocci na Casa Civil: "Assim como estou triste pela saída de um parceiro de luta, não posso deixar de afirmar que estou satisfeita pela solução que encontrei para assegurar a imediata continuidade do trabalho do gabinete civil da Presidência da República".

 

Ao contrário de quase todos os pronunciamentos anteriores no Planalto, a presidente não citou Lula. No momento em que a demissão de Palocci é vista como verdadeiro início da gestão Dilma por setores políticos, a falta de referência ao antecessor foi observada por assessores de governo. Em alguns dos 58 discursos feitos no Palácio e durante viagens, ela chegou a citar o ex-presidente três vezes.

 

Sucessora de Palocci, a senadora Gleisi Hoffmann (PT-PR) enfatizou a importância da articulação política no governo, apesar de ter sido designada para controlar o aspecto gerencial do governo. "A política dá sentido à técnica, e esta qualifica a política", disse no discurso de posse.

 

Hora certa. Em São Paulo, ao participar de um evento na capital, o ex-presidente Lula lamentou a saída de Palocci e colocou nas mãos de Dilma a responsabilidade integral pelas mudanças no governo. "É sempre triste ter que tirar um companheiro. Eu tive que tirar companheiros e é uma tristeza muito grande. Mas acho que a presidenta tem autoridade. Ela fez no momento certo", disse Lula. Sobre a escolha de Gleisi Hoffmann, Lula economizou palavras, mas referendou o nome: "Se a companheira Dilma escolheu, tá certo".

 

Durante a crise, Lula deixou Dilma numa berlinda política depois que se deslocou para Brasília na tentativa de salvar Antonio Palocci, cuja evolução patrimonial sobretudo no final de 2010 levantou suspeitas de tráfico de influência e enriquecimento ilícito. A intervenção de Lula na crise provocou críticas a Dilma pelos opositores e, nos bastidores, pelos aliados por suposta dependência do antecessor.

 

No discurso de despedida de Palocci, Dilma afirmou que também tinha relação política e pessoal com o petista e lamentou a saída do "querido amigo".

 

"Agradeço do fundo do meu coração o que Antonio Palocci por tudo o que ele fez por mim, pelo governo e pelo Brasil." Ela avaliou que o ministro demitido foi um dos "artífices da jornada vitoriosa" da campanha de 2010. "Tenho muitos motivos para lamentar a saída do ministro Antonio Palocci, motivos de ordem política, administrativa e pessoal."

 

Na solenidade de "recomeço" de governo, Dilma ensaiou uma crítica à atuação dos opositores e voltou a mandar o recado que reagirá a ataques. "É do jogo democrático enfrentarmos a oposição, quase sempre ruidosa, nem sempre justa", afirmou. "A pressão e as criticas não vão inibir a ação do meu governo." Durante a crise que culminou com a queda de Palocci, a presidente disseque não seria "refém" de aliados nem de opositores.

 

Compromissos. Nesta quarta, Dilma mandou a nova ministra se preparar para os "compromissos ousados" assumidos pelo governo. "Vamos manter a economia em crescimento, controlar a inflação, garantir a rigidez fiscal, criar mais e mais empregos, investir pesadamente em educação, fortalecer a nossa classe média e distribuir renda", disse. "Temos promessas e vamos cumpri-las", completou.

 

Diante de Dilma, Gleisi disse que terá a presidente, que foi titular da Casa Civil no governo Lula, como exemplo. "Foi aqui nesta mesma Casa Civil que a presidente mostrou sua capacidade", afirmou. Gleisi, que inicialmente também herda a função de fazer a articulação política, até então liderada por Palocci, elogiou lideranças do Legislativo.

 

Ao despedir-se, no Senado, afirmou que cumprirá sua nova missão no Executivo levando em conta a experiência no Parlamento. / COLABOROU FERNANDO GALLO

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
casa CivilGleisiDilmacrisePalocci

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.