Dilma quer voto feminino, mas deixa de detalhar ideias

Diretrizes de programa de governo e discursos são genéricos, ainda que ela tenha elegido a questão como um dos pontos centrais da campanha

Malu Delgado, O Estado de S.Paulo

12 Julho 2010 | 08h02

Mira. Petista luta para reduzir vantagem tucana entre mulheres

 

SÃO PAULO - Lançada candidata à Presidência da República sob o lema "Pátria Mãe, Pátria Mulher", em evento no qual a questão do gênero foi abordada como um dos pontos centrais da campanha eleitoral, Dilma Rousseff (PT) até o momento não explicitou políticas públicas ou propostas que pretende implementar nesta área.

 

Veja também:

José Roberto de Toledo: o 'dilmômetro' de Lula

 

A única ação já mencionada abertamente pela petista diz respeito à construção de 6 mil creches no País num período de quatro anos, o que auxiliaria as mães trabalhadoras.

 

O comando da campanha argumenta que a candidata vai elucidar demais propostas "ao longo do processo eleitoral" e que o combate à desigualdade entre homens e mulheres permeará todas as políticas públicas de um eventual governo Dilma. "Estamos coletando propostas de outros partidos da coligação", disse o deputado José Eduardo Martins Cardozo (PT-SP), um dos coordenadores políticos.

 

Saudações e referências especiais às mulheres são frequentes nos discursos da candidata, que busca reduzir a desvantagem entre o eleitorado feminino, segmento onde seu principal adversário, José Serra (PSDB), tem vantagem de sete pontos porcentuais (41% a 34%), conforme a pesquisa Ibope feita entre os dias 27 e 30 de junho.

 

As diretrizes do programa de governo de Dilma, porém, são bastante genéricas. Pregam, por exemplo, a necessidade de políticas públicas para "desconstruir a cultura machista e patriarcal que aprofundam a desigualdade e a exclusão social de mulheres".

 

A questão da mulher é abordada no programa protocolado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em capítulo intitulado Fortalecer o Estado e construir a igualdade para aprofundar a autonomia política, econômica e social das mulheres. "O terceiro governo do PT deve ter como eixo estruturante do seu programa a construção da igualdade entre mulheres e homens", diz trecho do documento. Se quiserem saber como a candidata pretende fazer isso, os eleitores terão de esperar um pouco mais.

 

As propostas genéricas pregam o "fortalecimento da Secretaria Especial para as Mulheres". Citam como prioridades a promoção da saúde da mulher, o combate à violência e a ampliação da participação de mulheres em espaços de poder.

 

Esquecidas. Presidente do PMDB Mulher, a ex-deputada federal Maria Elvira reclamou com o candidato a vice-presidente na chapa de Dilma, Michel Temer (PMDB), da ausência de tópicos específicos sobre políticas de gênero e defesa das minorias.

 

"O programa está bastante frágil em algumas questões", disse Maria Elvira. A peemedebista prometeu entregar a Temer amanhã, na ocasião da inauguração do comitê de campanha de Dilma, em Brasília, ideias compiladas e sugestões do PMDB Mulher para o programa de Dilma.

 

"O governo Lula avançou bastante no setor, mas ainda temos que avançar muito na política reprodutiva, na construção de creches, na educação", opina Maria Elvira. Para o PMDB Mulher, os temas que devem merecer a atenção da candidata petista são violência familiar, habitação e saúde da mulher.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.