Dilma quer saber tudo sobre espionagem dos EUA no Brasil

A presidente Dilma Rousseff disse nesta sexta-feira,06, que o Brasil quer saber "tudo o que há" sobre o País nos serviços de espionagem dos Estados Unidos, após a denúncia de que autoridades norte-americanas estariam espionando o Palácio do Planalto, inclusive a presidente. "Quero saber tudo o que há sobre o Brasil, tudo o que é feito com o Brasil", disse nesta manhã em entrevista coletiva no aeroporto de São Petersburgo, antes de deixar a Rússia, onde participou da reunião do G-20.

FERNANDO NAKAGAWA, ENVIADO ESPECIAL, Agência Estado

06 de setembro de 2013 | 10h09

Dilma disse que conversou sobre a espionagem e pediu as explicações sobre o tema em reunião reservada, realizada ontem à noite, com o presidente norte-americano, Barack Obama. Segundo a presidente, Obama quer pessoalmente "criar condições políticas" para a visita de Estado programada para Dilma em outubro nos EUA. "Minha viagem vai depender de condições políticas", afirmou.

Durante a entrevista coletiva, Dilma afirmou que é "muito complicado saber disso (espionagem) pelos jornais". A presidente comentou que existiriam rumores de que novas denúncias poderiam vir à tona durante o fim de semana e que também por isso pediu explicações e o detalhamento completo sobre as atividades do serviço secreto norte-americanas a respeito do Brasil.

Obama se comprometeu, na reunião de ontem, a dar respostas para "integral esclarecimento dos fatos", disse Dilma. A presidente comentou que relatou ceticismo com relação ao tema a Obama e o norte-americano se comprometeu pessoalmente a acompanhar o tema.

Ficou combinado entre os dois presidentes que o novo ministro de Relações Exteriores, Luiz Alberto Figueiredo, e a conselheira de Segurança Nacional da Casa Branca, Susan Rice, conversarão na próxima quarta-feira a respeito de providências sobre o assunto. Dilma disse que "não tem expectativas" sobre a reação norte-americana e que vai aguardar os fatos.

Tudo o que sabemos sobre:
espionagemDilmaG-20

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.