Dilma quer apoio do Congresso para enfrentar a crise, diz Vaccarezza

O líder do governo na Câmara participou da reunião do Conselho Político, no Palácio do Planalto, na qual o ministro da Fazenda, Guido Mantega, antecipou as medidas de reforço fiscal

Rafael Moraes Moura, da Agência Estado

29 de agosto de 2011 | 15h29

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff pediu nesta segunda-feira, 29, apoio do Congresso no enfrentamento da crise financeira internacional, evitando gastos excedentes. "Neste processo, ao aumentar o superávit (primário), você não vai ter nenhum comprometimento de investimentos, mas não poderão ser criados gastos excedentes sem definir a fonte desses gastos", disse o líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza. Ele participou da reunião do Conselho Político, no Palácio do Planalto, na qual o ministro da Fazenda, Guido Mantega, antecipou as medidas de reforço fiscal, anunciadas depois para a imprensa.

Para o líder do governo na Câmara, não há "clima no Congresso para votar a PEC 300 neste ano", que cria o piso nacional para policiais militares e civis e bombeiros. Além disso, afirmou, a emenda 29 que fixa gastos em saúde, por si só, não "resolverá o problema" da área.

"O governo federal tomará, como já tomou neste ano, várias medidas concretas para melhorar a saúde. Não terá pacote, serão medidas paulatinas", disse Vaccarezza, mencionando que uma das alternativas é cobrar dos planos privados por serviços prestados pelo Sistema Único de Saúde (SUS). Conforme observou Vaccarezza, a legislação já determina que as operadoras devem devolver aos cofres públicos os recursos gastos com o atendimento de seus usuários em hospitais do SUS, mas não está sendo cumprido.

 

Tudo o que sabemos sobre:
Dilmaconselho políticocrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.