Dilma promete recompor rebanhos perdidos com a seca

A presidente Dilma Rousseff participou nesta terça-feira em Água Branca (AL), ao lado do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), da cerimônia de entrega dos dois primeiros trechos do Canal do Sertão, obra que desvia parte das águas do Rio São Francisco para o sertão alagoano. No discurso, Dilma destacou as ações emergenciais contra uma das maiores secas da história do Nordeste e prometeu ajuda para retomar a produção quando a chuva voltar e recompor o rebanho perdido pelos produtores rurais durante a estiagem, que começou no ano passado.

EDUARDO BRESCIANI, Agência Estado

12 de março de 2013 | 14h01

A entrega parcial da obra refere-se a 65 km do canal, que já está em funcionamento desde o final de janeiro. O projeto total é de 250 km e não há previsão de conclusão. Na cerimônia foi celebrado novo termo de compromisso para a construção de mais um trecho e a presidente anunciou que outro será construído na sequência, o que ainda assim não chega à metade do projeto.

Usando expressão mencionada antes pelo governador Teotônio Vilela Filho (PSDB), a presidente afirmou que a obra vai "desembestar". Até agora, o governo federal já aportou R$ 1 bilhão na obra, que está inclusa no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Os novos trechos terão investimento de mais R$ 1,1 bilhão, segundo anunciou Dilma.

A presidente destacou as medidas que vêm sendo tomadas para o combate à seca. "Não temos como impedir que a seca ocorra, mas temos como impedir que nos atinja", disse. Dilma listou os programas Garantia Safra e Bolsa Estiagem, a contratação de carros-pipa pelo Exército e a compra de milho subsidiado como algumas das ações emergenciais. Disse ainda que os programas Bolsa Família e ''Minha Casa, Minha Vida'' também ajudam os habitantes da região.

Dilma afirmou que vai começar a preparar agora um programa para garantir melhorias de vida após a seca. Citou como exemplo a recomposição do rebanho. "É um programa de retomada. Quando a seca passar, não basta chover, vai ter de recuperar rebanho, bode, cabra, bovino, galinhas. O governo federal está atento a isso. Não posso recuperar quando tem seca, porque vai morrer outra vez, quero assegurar ao pequeno produtor que teve cabrinha morta, seu boizinho, que o governo federal vai recompor isso", disse. A presidente afirmou ainda que serão distribuídas sementes desenvolvidas pela Embrapa e que será providenciada a construção de silos.

A presidente fez ainda uma exaltação à economia brasileira destacando a redução dos juros, o crescimento do emprego e a redução de impostos, como no caso da cesta básica. Afirmou que o povo brasileiro tem capacidade para superar dificuldades e fazer o País crescer. "Um país que tem um povo com capacidade de resistir, tendo água, universidades, escolas, estradas, rodovias, portos. Somos um País invencível".

Tudo o que sabemos sobre:
dilmaalagoas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.