Dilma promete mais R$ 50 bi para mobilidade urbana

Na abertura de reunião com prefeitos de capitais e governadores, que ocorre na tarde desta quarta-feira no Palácio do Planalto, a presidente Dilma Rousseff disse que decidiu destinar mais recursos para facilitar o transporte das pessoas, nas cidades. "Decidi destinar mais R$ 50 bi para novos investimentos em obras de mobilidade urbana", disse a presidente. E ela admitiu que essa ação reflete demanda dos protestos realizados recentemente no País. "Essa decisão é reflexo do pleito por melhoria no transporte coletivo no nosso País", afirmou.

RAFAEL MORAES MOURA E TÂNIA MONTEIRO, Agência Estado

24 Junho 2013 | 18h02

Ela ressaltou, entretanto, que nos últimos anos Brasil tem tido grande investimento em transporte coletivo. Mas defendeu que o pacto que está sendo proposto nesta segunda precisa assegurar participação da sociedade na discussão política do transporte. E logo em seguida explicou como quer garantir essa presença da população nas decisões nesse setor: "Estou criando o Conselho Nacional de Transporte Público, com a sociedade civil e usuários", explicou. "A criação de conselhos semelhantes em municípios será extremamente importante", disse a presidente, remetendo ao compromisso de prefeitos nessa tarefa.

Saúde

O terceiro pacto proposto pela presidente Dilma Rousseff aos governadores e prefeitos foi na área de Saúde. "Quero acelerar os investimentos já contratados em hospitais e Unidades de pronto atendimento", disse Dilma, ao anunciar que o governo vai acelerar o envio de médicos para o interior e para a periferia das grandes cidades, onde não existem estes profissionais, pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo Dilma, médicos estrangeiros também serão contratados para atender as áreas hoje descobertas de profissionais de saúde. Já prevendo as críticas que sofrerá ainda mais por causa desta decisão, a presidente Dilma avisou que esta "é uma medida emergencial". Dilma ressaltou a contratação de médicos estrangeiros, "não se trata de medida hostil ou desrespeitosa" à categoria, mas que tal ação é necessária porque há dificuldade de encontrar médicos em número suficiente e com disposição para trabalhar nestes locais mais afastados.

"A saúde do cidadão deve prevalecer sobre quaisquer outros interesses", declarou a presidente, ao informar que o Brasil continua sendo um dos países do mundo que menos emprega médicos estrangeiros. Eles são, 1,79% no Brasil, contra 37% na Inglaterra e 25% na Austrália. A presidente insistiu que existem "regiões onde a população não tem atendimento médico". E desabafou: "Isso não pode continuar".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.