EFE/Cadu Gomes
EFE/Cadu Gomes

Dilma programa ‘treinamento’ no fim de semana

Presidente afastada vai responder a perguntas de senadores aliados em preparação de sua própria defesa; petista deve ir ao Senado na segunda-feira, 29

Ricardo Brito, O Estado de S.Paulo

25 de agosto de 2016 | 05h00

BRASÍLIA - A presidente afastada Dilma Rousseff deverá fazer uma rodada de “treinamento” com perguntas e respostas com os senadores aliados da petista no fim de semana. Dilma vai comparecer pessoalmente ao Senado para fazer a sua defesa na próxima segunda-feira, 29, no julgamento do processo de impeachment a que responde na Congresso.

A data do “treinamento” e o local não foram definidos, mas a intenção de senadores que apoiam a presidente afastada é explorar ao máximo os questionamentos a que ela poderá ser alvo durante o processo. A expectativa inicial era de que isso fosse ocorrer ao longo desta semana, mas não prosperou. Ainda há, apesar de remota entre os aliados, uma esperança que a participação de Dilma no julgamento possa reverter votos e impedir a condenação e, consequentemente, o afastamento definitivo da petista.

A presidente afastada será condenada se ao menos 54 dos 81 senadores votarem a favor do impeachment, em julgamento comandado pelo presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Ricardo Lewandowski.

Testemunhas. A estratégia discutida por aliados de Dilma é fazer, durante o máximo de tempo que for possível, questionamentos às testemunhas de defesa e de acusação nesta quinta e sexta-feira. Há, porém, aqueles que defendem que o cronograma não se estenda até domingo para evitar que o senadores cheguem cansados na sessão de segunda-feira, quando ocorre a fala da presidente afastada.

Essa ação difere do que pretende a base do presidente em exercício Michel Temer, que tentará abreviar as perguntas direcionadas às testemunhas – serão questionadas somente as de acusação e nem todos os senadores irão perguntar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.