Dilma põe Pronatec entre principais iniciativas oficiais

A presidente Dilma Rousseff avaliou nesta sexta-feira, 13, em entrevista a rádios locais de Uberlândia (MG), que o Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec) é uma das principais iniciativas do governo federal, já que prepara jovens para uma profissão. "É um programa que foca no ensino técnico profissionalizante. O Brasil precisa capacitar jovens e adultos e pessoas que vivem em condições de pobreza para ter uma profissão", disse a presidente.

LUCIANA ANTONELLO XAVIER, BEATRIZ BULLA E GUILHERME WALTENBERG, Agência Estado

13 de setembro de 2013 | 09h53

Segundo Dilma, o Brasil tem uma indústria sofisticada, que demanda mão de obra com maior grau de especialização. "Não produzimos só minério e alimentos, mas temos também uma indústria sofisticada e um setor de serviços. Temos que ter trabalhadores cada vez mais bem formados", disse. "Precisamos de trabalhadores mais bem formados para serem melhor remunerados", ressaltou.

Para a presidente, o ensino médio não pode ser apenas "livresco", mas deve preparar o jovem para uma profissão. "É importante que o ensino médio não seja pura e simplesmente livresco, mas tem que ser técnico também. O jovem tem que sair da escola de nível médio com uma profissão", disse. Dilma citou países desenvolvidos para ressaltar a importância do ensino técnico. "Ensino técnico profissionalizante nos países ricos dá um padrão de vida elevado para as pessoas", disse.

A presidente defendeu ainda a destinação do valor arrecadado com os royalties do petróleo para a educação, dizendo que a melhora nessa área é uma maneira de acabar com a pobreza. "Só há dois jeitos de sair da pobreza, com emprego e educação", disse. "O petróleo é riqueza finita, mas vamos transformar royalties de petróleo em projetos de educação", concluiu. Dilma participa nesta manhã de formatura de 1.800 alunos do Pronatec Brasil Sem Miséria em Uberlândia.

Tudo o que sabemos sobre:
DilmaUberlândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.