Dilma põe petistas no Desenvolvimento Agrário e na Secretaria das Mulheres

Deputados Afonso Florence e Iriny Lopes foram escolhidos para as pastas, respectivamente

Andrea Jubé Vianna, da Agência Estado,

22 Dezembro 2010 | 11h05

A presidente eleita, Dilma Rousseff, confirmou nesta manhã, por meio de nota oficial, as indicações do deputado Afonso Florence (PT-BA) para assumir o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA) e da deputada reeleita Iriny Lopes (PT-ES) para a Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres.

Natural de Salvador, Florence tem 60 anos e elegeu-se deputado federal em outubro. Ele foi secretário de Desenvolvimento Urbano no governo do petista Jaques Wagner. A escolha de Florence representa uma vitória da corrente de esquerda do PT, Democracia Socialista (DS), que havia se rebelado contra a indicação de Maria Lúcia Falcón (PT) para a pasta. Ela tinha o apoio dos governadores da Bahia, Jaques Wagner (PT), e de Sergipe, Marcelo Déda (PT).

A DS não se conformava em perder o controle do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), atualmente conduzido pelo ministro Guilherme Cassel. Seu antecessor no cargo foi Miguel Rosseto. Os dois gaúchos foram indicados pela Democracia Socialista.

Aos 54 anos, Iriny Lopes reelegeu-se em outubro para o seu terceiro mandato na Câmara dos Deputados. Membro da Executiva Nacional do PT, ela foi presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM), em 2005, e integrou o Conselho de Ética. Ela foi relatora do processo que culminou na cassação do ex-deputado André Luiz, do Rio de Janeiro, flagrado num diálogo em que tentava extorquir R$ 4 milhões do empresário de jogos Carlos Cachoeira.

Com a confirmação de ambos, Dilma conclui às vésperas do Natal a divulgação de seu ministério. Os anúncios, feitos a conta-gotas, se estenderam por um mês. Os primeiros nomes do ministério - os integrantes da equipe econômica, Guido Mantega na Fazenda, Miriam Belchior no Planejamento e Alexandre Tombini no comando do Banco Central - foram anunciados no último dia 24 de novembro.

Mais conteúdo sobre:
transição ministérios Dilma mulheres MDA

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.