Dilma poderá vetar parte do Código Florestal, diz Minc

Após encontro com a presidente, secretário de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro afirmou que artigos aprovados na Câmara podem ser alterados

Clarissa Thomé, da Agência Estado

26 de abril de 2012 | 13h50

RIO DE JANEIRO - O secretário de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro, Carlos Minc, disse que a presidente Dilma Rousseff sinalizou que vetará parcialmente o texto do novo Código Florestal, aprovado nessa quarta-feira, 25, na Câmara dos Deputados. Em conversa no Palácio Guanabara, sede do governo do Estado do Rio de Janeiro, onde Dilma participou de solenidade, Minc ofereceu um estudo preliminar que aponta 30 artigos que podem ser modificados pela presidente por medida provisória.

"Ela disse que não ia nos decepcionar e que manteria todos os compromissos firmados. Ela não usou essas palavras, mas pelo conjunto das coisas que falou, acredito que realmente vá vetar alguns dispositivos que contrariam compromissos que ela assumiu", disse Minc.

O secretário disse ainda que a conversa foi rápida, mas, que ao expressar sua preocupação com a presidente pelo texto aprovado, recebeu em resposta "um risinho cúmplice, maroto e solidário". Questionada pelos repórteres se vetaria o texto, Dilma limitou-se a sorrir.

A presidente participou de uma solenidade para celebrar a marca de 1,5 milhão de pessoas atendidas pelos programas Renda Melhor, do governo do Estado, e Cartão Família Carioca, da Prefeitura do Rio - iniciativas que complementam a renda de famílias já atendidas pelo Bolsa Família, mas que recebem menos de R$ 100 per capita.

Mais cedo, Um dos interlocutores mais próximos da presidente, o ministro da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, evitou comentar qual seria o posicionamento de Dilma. "Como nos é dado também o direito do veto, a presidenta vai analisar com muita serenidade, sem animosidade, sem adiantar nenhuma solução. Temos muita responsabilidade com o País", afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
ambienteCódigo Florestal

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.