André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

'Dilma pode ter escolhido Temer como vice, mas vocês vão viabilizá-lo como presidente', diz Costa

Líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE) afirmou que o golpe é travestido de impedimento, 'cujo objetivo é tirar uma presidente democraticamente eleita e substituir projeto por política que já foi derrotada nas urnas quatro vezes'

Julia Lindner e Rachel Gamarski, O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2016 | 18h59

BRASÍLIA - O líder do PT no Senado, Humberto Costa (PT-PE), declarou que o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff é "a maior das farsas da história recente" do Brasil, fazendo uma comparação com o golpe de 1964. "Temos um golpe travestido de impedimento, cujo objetivo é tirar uma presidente democraticamente eleita e substituir o projeto que ela defende por uma política que já foi derrotada nas urnas quatro vezes", afirmou. Costa foi o 20º parlamentar a discursar nesta terça-feira no plenário do Senado.

Segundo Costa, o Congresso "nunca engoliu Dilma" porque "não aceitava o seu modo de lidar com a rotina parlamentar", a sua "falta de gosto" de agradar "aqueles que ficavam encantados" com os corredores do Planalto. O senador disse que Dilma tinha pouco tato para negociar cargos e emendas em troca de apoio político e ressaltou que a presidente afastada é diferente na forma de agir dos políticos tradicionais. "Por toda a sua história, ela tem uma forma diferente de lidar, não gosta de girar no bambolê, mas julgá-la como criminosa é verdadeira aberração."

Costa criticou o governo interino de Michel Temer e disse que seus aliados contribuíram para agravar a crise econômica. "Nós conhecemos Temer. Dilma pode ter escolhido Temer como vice, mas lembrem-se que vocês vão viabilizá-lo como presidente", declarou. O senador defendeu como solução a realização de um plebiscito para novas eleições. "Podemos trazer a presidente Dilma de volta e garantir o plebiscito para eleições diretas", sugeriu. Para ele, sem as eleições diretas "o Brasil vai viver uma crise permanente e sem solução".

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.