Dilma pede respeito e diz que denúncias de Valério são 'lamentáveis'

Em solidariedade, presidente da França afirma que Lula é uma 'referência'

Andrei Netto, de O Estado de S. Paulo,

11 de dezembro de 2012 | 17h46

PARIS - A presidente Dilma Rousseff comentou nesta terça-feira, 11, em Paris, as denúncias feitas pelo publicitário Marcos Valério e reveladas pelo Estado sobre os vínculos entre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o escândalo do mensalão. Em uma coletiva ao lado do chefe de Estado da França, François Hollande, Dilma taxou de "lamentável" o que definiu como tentativa de "destitui-lo da imensa carga de respeito que o povo brasileiro lhe tem". Em solidariedade, o francês disse que Lula "é uma referência".

Dilma se manifestou sobre o tema quando foi indagada por jornalistas brasileiros ao término do encontro bilateral com Hollande. Em tom severo, a presidente pediu para responder antes do francês e reiterou sua "admiração, respeito e amizade pelo presidente Lula". "Eu repudio todas as tentativas, e esta não é a primeira vez, de destituí-lo da imensa carga de respeito que o povo brasileiro lhe tem", afirmou, enumerando políticas de seu antecessor. "Respeito porque o presidente Lula desenvolveu o país e é responsável pela distribuição de renda mais expressiva dos últimos anos. Respeito pelo que ele fez internacionalmente, pela sua extrema amizade pela África, por seu olhar para a América Latina e pelo estabelecimento de relações iguais com os países desenvolvidos do mundo."

A presidente disse ainda que não pretendia responder sobre o assunto no exterior, mas se mostrou instigada a fazê-lo em resposta às denúncias. "Eu não poderia deixar de assinalar que eu considero lamentável essas tentativas de desgastar a imagem do presidente Lula", disse ela, reiterando: "Acho lamentável". Ao término de sua declaração, a chefe de Estado foi aplaudida pelos demais membros do governo brasileiro, entre os quais os ministros Antonio Patriota, Celso Amorim, Guido Mantega, Fernando Pimentel, Aloizio Mercadante e Marco Aurélio Garcia, que acompanhavam a entrevista.

Instantes depois, Hollande fez um adendo a outra resposta para reafirmar seu apreço ao brasileiro. "Sobre o presidente Lula, quero dizer que ele tem na França uma imagem considerável. É um homem que defendeu constantemente o princípio de Justiça e da igualdade, assegurando ao Brasil um desenvolvimento econômico absolutamente excepcional", argumentou, ressaltando: "Aqui o presidente Lula é visto como uma referência". Ao seu lado, Dilma agradeceu a manifestação afirmando: "Obrigado, senhor".

Desde que chegaram a Paris, na segunda-feira, Lula e Dilma se encontraram pelo menos duas vezes. O primeiro encontro aconteceu no início da tarde de segunda, quando ambos almoçaram juntos por cerca de uma hora e 40 minutos. O tema da reunião não foi divulgado pela presidência, nem pelos assessores do Instituto Lula. Aos jornalistas, o ministro Mercadante disse, mais tarde, que "Lula é um guerreiro".

O segundo encontro aconteceu na tarde de terça-feira, no Fórum do Progresso Social, co-promovido em Paris pelo Instituto Lula. Dilma falou por mais de 30 minutos, mas se concentrou em temas econômicos e não fez nenhuma referência às denúncias de Valério.

Tudo o que sabemos sobre:
mensalãoLulaDilma Rousseff

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.