Dilma pede que indicados evitem 'ruídos' na transição

Dilma pede que indicados evitem 'ruídos' na transição

Presidente se reúne por quase três horas com Levy, Barbosa e Tombini e os instrui a evitar divergências com atual equipe

Tânia Monteiro, Adriana Fernandes e Renata Veríssimo, O Estado de S. Paulo

27 de novembro de 2014 | 22h58

Brasília - Antes de anunciar a nova equipe econômica, a presidente Dilma Rousseff se reuniu por quase três horas, no Palácio da Alvorada, com os novos ministros da Fazenda e do Planejamento, e o presidente do Banco Central, que permanece no cargo, para acertar o “entrosamento” durante a transição. 

No almoço de trabalho com Joaquim Levy, Nelson Barbosa e Alexandre Tombini, a presidente os instruiu a evitar ruídos e divergências com a equipe atual, chefiada pelo ministro Guido Mantega. 


Levy, futuro titular da Fazenda, conhecido por sua obsessão pelo trabalho, tão logo terminou a entrevista coletiva de apresentação da nova equipe, assumiu a cadeira já reservada a ele, no terceiro andar do Planalto, em gabinete montado a poucos metros da presidente Dilma. 

Barbosa, indicado para o Planejamento, terá uma sala ao lado de Levy e começa hoje a desempenhar suas funções. Os dois já marcaram uma série de reuniões com as equipes dos dois ministérios. 

Os encontros com os técnicos da Fazenda e do Planejamento por Levy e Barbosa serão feitos, preferencialmente, fora do Planalto para evitar especulações em torno da formação do segundo escalão. Ainda há cargos-chave a serem definidos, como o de chefia da Secretária do Tesouro Nacional, a quem caberá a gestão do dia a dia das contas do governo. 

Os dois futuros ministros já pediram e receberam dados da situação das contas públicas e das propostas que foram elaboradas pela atual equipe econômica. A primeira impressão de ambos é que haverá necessidade de avançar e ampliar tais medidas, que já foram consideradas “insuficientes” para atacar o cerne do problema econômico que o País atravessa. Na entrevista concedida ontem, os dois enfatizaram que “não há pressa” para o anúncio das medidas e que o importante é que elas “sejam sólidas”. 

Nomeação. Está sendo esperada para os próximos dias a nomeação, no Diário Oficial da União, de Levy e Barbosa, como integrantes da equipe de transição. Esse instrumento foi utilizado quando Fernando Henrique Cardoso passou o bastão para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o chefe da transição do novo governo foi o ex-ministro Antonio Palocci. 

Neste período transitório, o Planalto quer evitar que os novos ministros concedam entrevistas ou falem sobre os trabalhos que estão desenvolvendo, a não ser que haja uma determinação da presidente Dilma. Depois de terem seus nomes confirmados, os novos ministros poderão disparar os convites para integrantes da nova equipe.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.