Roberto Stuckert Filho/PR
Roberto Stuckert Filho/PR

Dilma pede esforço para 'manter a serenidade'

A presidente iniciou o discurso comentando os elogios à sua forma física, e disse manter uma vida saudável mesmo 'debaixo da pressão, debaixo da imensa desfaçatez e intolerância que recai em alguns momentos lá em Brasília'

Antonio Pita, O Estado de S. Paulo

14 de agosto de 2015 | 19h49

Salvador - No último compromisso de sua agenda na Bahia, a presidente Dilma Rousseff disse viver "debaixo de pressão, debaixo de imensa desfaçatez e intolerância que recai sobre Brasília em alguns momentos". A presidente criticou o que chamou de "insidiosa tentativa de criar uma situação de quanto pior melhor" e pediu "esforço para manter a serenidade", em meio à grave crise política no País. Dilma ainda afirmou ter "um instrumento poderoso, uma verdadeira arma", em exaltação ao "diálogo e a participação popular". 

A presidente iniciou o discurso comentando os elogios à sua forma física, e disse manter uma vida saudável mesmo "debaixo da pressão, debaixo da imensa desfaçatez e intolerância que recai em alguns momentos lá em Brasília". 

"Todo mundo tem que se esforçar para manter a serenidade. A serenidade e a vida saudável te dão condições para enfrentar a dificuldade. Faça exercício, trabalhe muito e enfrente a vida. O que a vida quer da gente é coragem, é isso que a vida quer da gente", disse Dilma para uma plateia de ativista de movimentos sociais ligados à cultura, em Salvador. 

A presidente ainda afirmou que considera o diálogo "tema principal" do seu segundo mandato. "Aprendemos que tem um poderoso instrumento, uma verdadeira arma que é o dialogo e a participação popular", afirmou. 

"Quero falar sobre a teoria, a prática e a insidiosa tentativa de criar no Brasil uma situação de quanto pior, melhor", disse Dilma, no encerramento de seu discurso. "Quem não tem compromisso com seu País, não tem compromisso com todas as conquistas que alcançamos nos últimos anos", frisou. 

Em esforço para sair da crise política e recuperar a aprovação, o encontro se transformou em uma exaltação aos programas símbolo do governo, como Bolsa Família, Minha Casa Minha Vida e Mais Médicos, em evento transmitido ao vivo pela TV Brasil e pela internet.

O encontro aconteceu na sede de uma escola técnica do Senai em Salvador, em edifício que leva o nome do empresário Norberto Odebrecht - fundador da empreiteira alvo de nova investigação por corrupção em contratos com o governo federal. Na chegada ao auditório, a presidente foi recebida por artistas e ativistas da cultura e de movimentos sociais, com coros de apoio, como "Olê-olê-olê-olá, Dilma, Dilma" e "Não vai ter golpe". 

Em seu discurso, a presidente disse se orgulhar das realizações do governo no Nordeste, onde tradicionalmente os governos do PT têm maior apoio popular e por onde a presidente iniciou suas viagens em busca de demonstração de força e apoio popular. Falando de improviso e bem-humorada, a presidente riu das intervenções da plateia durante o discurso dos ministros e ouviu elogios à sua forma física: "A senhora está uma gata", falou uma participante.

"Se tem uma coisa que eu tenho orgulho de ter feito como presidente e de ter participado como ministra foi o que fizemos em relação ao Nordeste. Eles não vão tirar isso de nós. Jamais vão tirar de nós", afirmou a presidente no encerramento do discurso, sendo saudada pelo público.

Antes da presidente, o governador da Bahia, Rui Costa (PT), também pediu "serenidade" e respeito à presidente "legitimamente eleita". "O momento é difícil. Não vamos ficar nessa sala achando que o momento é fácil, só alegria. Não. Para superar a dificuldade, é diálogo, trabalho, respeito e democracia", disse o governador, que foi aplaudido de pé pelo público. 

Empresários. Antes do encontro, no mesmo prédio, a presidente se reuniu com executivos e representantes de associações empresariais para apresentar o Plano de Investimento em Logística (PIL). Dilma acompanhou apenas o início da reunião, que foi comandada pelos ministros do Planejamento, Nelson Barbosa, e da Agricultura, Kátia Abreu. Na plateia, empresários como o presidente da Braskem, Carlos Fadigas, e da Ford, Rogelio Golfarb, além de executivos de empresas de energia, indústria e comércio.

A imprensa não teve acesso à reunião. O objetivo do encontro era detalhar os projetos de infraestrutura dos estados - na próxima semana, ela levará o PIL a Recife para convencer os empresários a apoiar as oportunidades abertas pelo projeto. Entretanto, por mais de duas horas os ministros ouviram críticas à condução da economia e à demora na execução de medidas de ajuste fiscal e para retomar o crescimento.

Tudo o que sabemos sobre:
Dilma RousseffprotestosPT

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.