Dilma optou por hotel pois embaixada na Itália estava desocupada, diz Patriota

Presidente viajou ao Vaticano para encontrar o papa Francisco; comitiva teria usado 52 quartos

Agência Estado,

20 de março de 2013 | 13h26

BRASÍLIA - O ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, disse nesta quarta-feira, 20, que a presidente Dilma Rousseff ficou hospedada em um hotel na capital italiana porque a residência do embaixador do Brasil em Roma está desocupada no momento. A presidente viajou ao Vaticano para a missa inaugural do papa Francisco.

"O embaixador Ricardo Neiva Tavares foi designado pela Presidenta da República e aprovado pelo Congresso e o decreto de remoção dele da União Europeia aqui pra Roma foi publicado no Diário Oficial na sexta-feira passada. Nessas condições, então, a residência do embaixador do Brasil aqui em Roma está desocupada no momento, ela está entre dois embaixadores - e é por isso que a presidenta ficou aqui no hotel", disse Patriota à Agência Brasil.

Segundo o jornal Folha de S.Paulo, Dilma, quatro ministros, assessores e seguranças se hospedaram no hotel Westin Excelsior, um dos mais luxuosos da cidade. A diária da suíte presidencial custaria cerca de R$ 7,7 mil e o quarto mais barato, R$ 920. A comitiva de Dilma teria usado, ao todo, 52 quartos de hotel e 17 carros em Roma.

De acordo com Patriota, o novo embaixador deverá chegar "dentro de algumas semanas mais". "Qualquer chancelaria do mundo enfrenta a mesma situação: a rotação de embaixadores em intervalos regulares. Agora, o que era aqui inesperado foi essa situação do Sumo Pontífice, né? A renúncia e a troca, e essa situação coincidiu com uma troca de embaixadores aqui na residência oficial em Roma, uma coisa natural que pode acontecer com qualquer chancelaria", disse.

Em nota, a assessoria do PPS informou que o deputado federal Rubens Bueno (PPS-PR) vai cobrar do Palácio do Planalto mais informações sobre o custo total da viagem da presidente a Roma. O partido também quer o gasto total dos deslocamentos da presidente ao exterior desde o início do mandato.

Mais conteúdo sobre:
DilmaRomaPatriotadiplomacia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.