Dilma oferece Desenvolvimento ao PSD

Após recusa de Josué Gomes, presidente propôs ao ex-prefeito Kassab que Guilherme Afif, titular da Micro e Pequena Empresa, assuma a pasta

Vera Rosa, Tânia Monteiro e Rafael Moraes Moura , O Estado de S. Paulo

05 de fevereiro de 2014 | 22h18

Brasília - A presidente Dilma Rousseff decidiu nesta quarta-feira, 5, deixar o PMDB "de molho" na discussão da reforma ministerial e chamou dirigentes de outros partidos para definir as trocas do primeiro escalão, que pretende concluir até o carnaval. Dilma conversou com o ex-prefeito de São Paulo Gilberto Kassab e ofereceu ao PSD o comando do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Desde que o filho do ex-vice-presidente José Alencar, o empresário Josué Gomes da Silva (PMDB), recusou o convite para ocupar a pasta, Dilma tem tido dificuldades em encontrar um substituto do meio empresarial que aceitasse o desafio e que pudesse a auxiliar a melhorar sua difícil relação com o setor. Após avaliar alguns nomes, decidiu investir mesmo em um político: planeja transferir para essa função o ministro-chefe da Secretaria da Micro e Pequena Empresa, Guilherme Afif Domingos, que é filiado ao PSD.

Kassab saiu calado do encontro com a presidente, no Palácio da Alvorada. Antes da reunião, disse a amigos que o PSD só ampliaria sua participação no governo em eventual segundo mandato de Dilma.

Presidente nacional do PSD e pré-candidato ao governo paulista, Kassab foi o primeiro a anunciar apoio à reeleição de Dilma, ainda no ano passado. Depois disso, no entanto, ele e o prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), entraram em rota de colisão por causa da investigação da máfia dos fiscais.

Na tentativa de garantir a adesão do PSD à campanha, Dilma e a cúpula do PT tentam negociar com Kassab um pacote: a transferência de Afif para o Ministério do Desenvolvimento e o apoio à reeleição do governador de Santa Catarina, Raimundo Colombo. O governador é do PSD.

O Ministério do Desenvolvimento é considerado estratégico por Dilma, já que ela precisa se aproximar do empresariado na campanha. Alvo de críticas por parte de industriais e banqueiros, a presidente queria inicialmente pôr no ministério um empresário com perfil de articulador político. A pasta é ocupada atualmente por Fernando Pimentel (PT), que deixará o cargo para concorrer ao governo de Minas.

No ano passado, Dilma e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva convenceram Josué Gomes , filho do ex-vice-presidente José Alencar - morto em 2011 - a se filiar ao PMDB. Queriam que ele virasse ministro, no lugar de Pimentel. Josué, porém, disse preferir ser eleito pelo voto. Ele deve concorrer a vice na chapa de Pimentel.

Em um dia de intensa movimentação no Alvorada, Dilma resolveu esperar que o PMDB decida sua rebelião interna (leia ao lado) para só depois conversar novamente com o vice-presidente Michel Temer sobre reforma ministerial.

Na tarde de ontem, Dilma também se reuniu com a ministra-chefe da Secretaria das Mulheres, Eleonora Menicucci, cotada para substituir Maria do Rosário na pasta dos Direitos Humanos. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.