Dilma nega que pacote para indústria é eleitoral

Após sancionar a lei que considera a profissão de motoboy perigosa e conceder 30% de adicional de periculosidade, a presidente Dilma Rousseff reagiu a provocações da oposição de que está promovendo uma série de atos de cunho eleitoreiro, incluindo o pacote de medidas que atende empresários. A presidente Dilma assegurou que as ações não são eleitorais, mas cabíveis e avisou que não pode parar de governar.

TÂNIA MONTEIRO, RICARDO DELLA COLETTA E RAFAEL MORAES MOURA, Agência Estado

18 Junho 2014 | 18h52

"Se for assim, tudo é o eleitoral neste País e não é", desabafou a presidente ao explicar que "a lei é clara: não se toma certas medidas após um determinado prazo". De acordo com a presidente, ela está "perfeitamente no uso da legalidade nesse País, e outra coisa, é impossível o País parar porque um ou outro acha que a medida tem essa ou aquela função ou destino".

Segundo a presidente, o que precisa ser discutido é "se isso é necessário ou não é para as empresas? É necessário ou não é para a indústria? É cabível ou não é cabível? Essa é a pergunta correta. Se não for cabível, tá errado".

Mais conteúdo sobre:
eleições Dilma medidas

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.