Dilma nega 'agenda casada' entre governo e campanha

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, negou hoje qualquer relação entre a divulgação de dados positivos do governo e sua agenda de campanha. Questionada sobre o eventual "casamento de agendas", ela rebateu: "Tudo que for positivo sobre esse governo são realizações da qual eu me orgulho de ter participado", respondeu. "Qual seria a alternativa, esconder que o País está bem? Esconder que nós criamos 14 milhões de empregos? A quem interessa ocultar as taxas elevadas de crescimento? A gente quer é que o Brasil saiba que estamos bem", concluiu a candidata.

ANDREA JUBÉ VIANNA, Agência Estado

11 de agosto de 2010 | 16h17

O mote da pergunta foi a presença do ministro da Fazenda, Guido Mantega, no evento de divulgação do relatório bimestral da economia, relativo a junho e julho - o boletim ''Economia Brasileira em Perspectiva''. Normalmente, os dados são divulgados por assessores e técnicos do Ministério da Fazenda. Ontem, entretanto, Mantega fez questão de divulgar o relatório, que traz projeções macroeconômicas para 2010, como perspectivas de crescimento do PIB em 2010, o comportamento do mercado de consumo de massa, previsão da inflação, juros e crédito, política fiscal. Os dados anunciados por Mantega foram positivos: projeções da Fazenda apontam crescimento do PIB de 6,5% em 2010 e inflação de 5,2%.

Dossiê

Dilma Rousseff também afirmou hoje que repudia tentativas de vincular à sua campanha denúncias ligadas a supostos dossiês contra adversários políticos. "Eu repudio completamente essas tentativas de levar esse tipo de problema para a minha campanha. Só serve para embaralhar. Eu não vou me dispor a comentar procedimentos indevidos que ocorreram em campanhas alheias no passado," afirmou Dilma.

"As pessoas que acusarem esta campanha de qualquer coisa inadequada, sem os esclarecimentos e provas devidos, vão passar para a história como caluniadores e difamadores. Espero, do fundo do coração, que haja respeito nessa campanha", disse Dilma Rousseff, quando questionada sobre o convite ao ex-presidente do fundo de pensão do Banco do Brasil, Previ, Sérgio Rosa, aprovado nesta manhã pela Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

Além de Sérgio Rosa, a comissão também aprovou requerimento convidando o ex-gerente de Planejamento do fundo de pensão Geraldo Santiago. A senadora Kátia Abreu (DEM-TO), autora do requerimento, quer que ambos expliquem denúncia feita em matéria publicada esta semana pela revista Veja sobre a suposta "fábrica de dossiês" que teria sido montada nas dependências do fundo de pensão para espionar e constranger adversários políticos do governo petista. Dilma Rousseff participa nesta tarde do 4ºBrasil nos Trilhos, evento realizado em Brasília pela Associação Nacional dos Transportadores Ferroviários (ANTF).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.