Dilma não resiste ao calor e frustra simpatizantes em MT

A ex-ministra e candidata a presidente, Dilma Rousseff (PT), não resistiu ao calor hoje em Rondonópolis (MT), onde cumpriu agenda de campanha. No meio do trajeto, a petista deixou o veículo que dividia com o governador Silval Barbosa (PMDB) e os candidatos ao Senado, o ex-governador Blairo Maggi e o deputado federal Carlos Abicalil, e entrou em um veículo com os vidros fechados.

EULÁLIA OLIVEIRA, Agência Estado

25 de agosto de 2010 | 18h53

O fato teria confundido e aborrecido a população que a aguardava nas calçadas. O locutor anunciava a passagem de Dilma, ressaltava a simpatia da candidata, mas para o povo sobrou apenas cartazes, que reforçava o apoio de Lula a sua campanha.

Um policial militar que fazia a segurança do evento revelou que a candidata reclamou de queimaduras na pele e do forte calor. Nesse período de seca e queimadas, é comum a população sofrer com insolação e também problemas respiratórios, devido à baixa umidade do ar, que está na perto de 20%.

A carreata, com mais de mil veículos, saiu da entrada do município, passou pela área comercial e encerrou o trajeto na residência de Maggi, onde foi servido um almoço. A imprensa não teve acesso ao espaço, que contou com a presença de políticos, candidatos e empresários locais.

No local, segundo convidados, Dilma tomou um banho gelado e passou boa parte do tempo próxima a uma cachoeira artificial construída no fundo da residência. Aos convidados foi servido um peixe natural da região, o Dourado, desossado e recheado, arroz branco e salada.

Apoio

Assim como no Estado de São Paulo (Paulo Skaf e Aloizio Mercadante), em Mato Grosso a candidata também tem dois palanques: o do PMDB, com o candidato à reeleição Silval Barbosa, e o PSB, do industrial Mauro Mendes.

Indagada sobre a questão, durante visita a Rondonópolis, a presidenciável preferiu não gerar polêmica e resumiu dizendo que vai apoiar quem a apoia. "Sobre essa situação quem define é a minha coordenação de campanha", disse.

Dilma cumpriu agenda das 10 horas às 17 horas ao lado do candidato peemedebista. Para a chapa ligada ao deputado federal Ciro Gomes, ela dedicou apenas 20 minutos do dia, em uma breve conversa no saguão do aeroporto de Várzea Grande.

Tentando reverter a situação, o deputado federal Valtenir Pereira, presidente regional do PSB, foi para Rondonópolis, mas não conseguiu mudar a agenda da candidata. Segundo o parlamentar, "o partido sacrificou sua joia mais valiosa (a candidatura de Ciro Gomes) em prol da campanha de Dilma". "Essa é a maior manifestação pública e explícita de que o PSB é Dilma, por isso esperamos uma resposta dela", cobrou o parlamentar.

Uma das poucas falas da candidata na cidade foi uma resposta ao grito de um eleitor. Em meio a dezenas de pessoas que a aguardavam no Aeroporto Maestro Marinho Franco, um jovem gritou: "Dilma, você será a nossa presidente e eu quero assistir a sua posse". Ouvindo o incentivo, a petista respondeu de pronto e sorrindo: "Você vai, te espero lá".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.