Dilma não perdeu autoridade com crise do dossiê, diz Lobão

Ministro das Minas e Energia elogia a chefe da Casa Civil por sua 'grande responsabilidade'

Adriana Chiarini, da Agência Estado,

10 de abril de 2008 | 10h27

O ministro das Minas e Energia, Edison Lobão, disse nesta quinta-feira, 10, que não vê "nenhum abatimento na autoridade" da ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff. Lobão elogiou a ministra por sua "grande responsabilidade". A ministra Dilma está no centro da polêmica em torno da preparação de um "dossiê", como chama a oposição, ou "banco de dados", como prefere a ministra, sobre gastos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Lobão fez as declarações em entrevista ao chegar para o evento "Meio Ambiente - Desenvolvimento Sustentável", promovido pela revista Carta Capital. Veja Também: PF apreende 6 computadores para perícia no caso do dossiêGaribaldi cria CPI dos cartões no SenadoBase fará de tudo para impedir CPI no Senado, diz Fontana PF abre inquérito para apurar vazamento de dados de FHCDossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos  O ministro da Justiça, Tarso Genro, afirmou na quarta-feira, 9, que o governo não terá controle da investigação da Polícia Federal sobre o vazamento de dados do dossiê com os gastos do cartão corporativo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso e da ex-primeira-dama Ruth Cardoso. O delegado Sérgio Menezes, responsável pelo caso, terá liberdade para investigar o que quiser, de acordo com Tarso.  Na última terça-feira, a Polícia Federal apreendeu seis computadores da Casa Civil que teriam sido usados para montar o suposto dossiê. Os cinco microcomputadores portáteis e um equipamento de mesa passarão por uma perícia da Superintendência Regional da PF do Distrito Federal, com o apoio técnico do Instituto Nacional de Criminalística (INC). Nunca a PF chegou tão perto do gabinete presidencial ocupado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva numa investigação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.